Marcos Assunção se reúne com Santos e estuda última oferta

Marcos Assunção esteve reunido na noite desta quinta-feira com o vice-presidente do Santos, Odílio Rodrigues, em um restaurante na cidade. O jogador estuda a última oferta salarial proposta pelo clube, atualmente de cerca de R$ 150 mil mensais com gatilhos contratuais por produtividade, mas já externa otimismo pelo acerto que pode ser oficializado nesta sexta-feira.

Santos e o volante negociam desde o início da semana. As tratativas começaram em R$ 120 mil mensais com os mesmos gatilhos. Assunção fez uma contraproposta de R$ 200 mil, negada, e agora conversa com o clube alvinegro o valor final para o desfecho das negociações.

A contratação tem, principalmente, o aval de Muricy Ramalho. A vinda do experiente jogador atenderia a uma característica dos times do treinador, principalmente pela facilidade nas cobranças de faltas.

O atleta de 36 anos ficou seis dias à espera de um novo acordo com o Palmeiras, e convocou uma entrevista marcada por choro, em um hotel em São Paulo, para explicar por que não permaneceu no clube paulista.

Assunção já admitiu em diversos momentos ser torcedor do Santos e quase voltou ao clube em 2010, quando jogava pelo Grêmio Prudente. As negociações esbarraram na condução das tratativas comandadas pelo ex-atacante Jamelli, então gerente de futebol santista. O atleta passou pela Vila no fim da década de 90, quando foi negociado com a Roma, da Itália.

Paralelamente à sua contratação, o Santos ainda espera por uma resposta definitiva de Nenê, do Paris Saint-Germain, para quem reajustou a proposta contratual para R$ 500 mil mensais. O meia estuda ofertas do mundo árabe e aguarda pela definição de quanto o Santos pode pagar pelas luvas contratuais para decidir o seu futuro.

Até então foram contratados o zagueiro Neto, o volante Renê Júnior e os meias André Pinga, Montillo e Cícero. O lateral esquerdo Guilherme Santos, do Atlético-MG, já treina no CT Rei Pelé, mas aguarda o aval do departamento jurídico para ser oficializado.