Djokovic e Guga inauguram quadra de saibro na Rocinha

“Bom dia a todos, é um prazer estar no Rio. Obrigado”, disse o tenista número um do mundo, Novak Djokovic, em bom português. Assim começou a entrevista coletiva nesta sexta-feira(16) com Djokovic e Gustavo Kuerten, único brasileiro número um do ranking da ATP em 2000 e 2001.

A entrevista marcou a visita dos dois atletas à quadra de saibro inaugurada hoje no Parque Ecológico da favela da Rocinha, em São Conrado, a primeira em uma comunidade pacificada no Rio. 

Ambos estavam acompanhados por Dejan Petkovic, presidente da Pet 10, Marcelo Alves, presidente da Adma, ambas empresas que trouxeram o confronto para o Brasil, além da secretária de esportes do governo do Estado, Márcia Lins.

O clima era de descontração entre os que disputam o amistoso no Maracanãzinho, neste sábado, às 18h30. A presença dos dois ídolos em uma comunidade como a Rocinha emocionou os atletas, ambos com institutos que contém projetos sociais destinados às crianças: a Novak Djokovic Foundation e o Instituto Gustavo Kuerten. 

 “O tênis é um esporte emblemático para as crianças. Os valores e a decência que o esporte passa são coisas que devem ser exploradas”, declarou Gustavo Kuerten, três vezes campeão de Roland Garros.

Guga teve sua posição reforçada pelo grande tenista sérvio, campeão do ATP Finals há três dias e com 5 Grand Slams no currículo: 

 “Estou esperando ansiosamente por isso. Tomara que possamos jogar com as crianças. Essa quadra pública é muito importante, porque centros esportivos são uma mensagem muito importante e positiva. Se pudermos contribuir com a sociedade, já me sinto feliz de colaborar com esse projeto, ainda mais para ajudar várias crianças que não têm condições de praticar o tênis”, comentou o sérvio.

Elogios e pedido por melhoras 

Djokovic, Guga e Petkovic brincaram muito entre si durante a coletiva, que durou cerca de uma hora. Guga, sempre simpático, disse que é possível que tenha torcida contra ele no jogo de amanhã, por causa do carisma do adversário:

“Jamais imaginei que fosse praticar tanto a essa altura da minha vida. Mas se eu acertar uma paralela( movimento pelo qual Guga ganhou fama no esporte), já está bom”, diverte-se o ex-jogador, que considera impossível surpreender o atual número um do mundo. “ Nadal, Murray, Federer não conseguiram, como eu vou conseguir?”, disse, entre risos. 

 Djokovic, por sua vez, agradeceu às empresas e ao Governo do Estado pela oportunidade:

 “Eu não acreditei que jogaria contra você, e meu sonho se tornou realidade. Você é três vezes campeão de Roland Garros, foi número 1 do mundo e tem muito mais sucesso do que eu, disse Djokovic, dirigindo-se a Kuerten, em uma demonstração de humildade e respeito com o ex-jogador e ídolo brasileiro. 

 Nascido em um país no qual o tênis começou a se tornar popular depois da ascensão de Djokovic, há cerca de dois anos, o atleta lembrou de quando teve que sair da Sérvia aos 13 anos, durante a Guerra Civil, para treinar na Alemanha. E contou ao Jornal do Brasil como pode ajudar no desenvolvimento do esporte em seu país: 

 “É até possível que você consiga vencer com um esforço individual, mas é muito mais difícil, mais desgastante. Agradeço muito à minha família pelo esforço, mas precisamos criar um sistema que dê suporte a esses novos talentos. Um centro nacional de tênis é necessário, e é um pouco do que eu faço na minha fundação. Precisamos ser pacientes e trabalhar duro. Só assim o esporte irá se desenvolver na Sérvia”, disse o atual número um do ranking da ATP.

Gustavo Kuerten teve o auge de sua carreira entre 1997 e 2001, quando ganhou três títulos em Roland Garros, além de ter sido o melhor do mundo entre 2000 e 2001. O sucesso de Guga, segundo o próprio tenista, não foi bem aproveitado para alavancar o esporte no Brasil:

“Estamos tentando “rebolar” para montar um sistema que aproveite o que já aconteceu no nosso esporte. No momento mais glorioso que tivemos, não conseguimos fazer isso”, comentou Guga, que nunca mais foi o mesmo após uma cirurgia no quadril em 2002,  e teve a carreira encerrada em 2008. 

Futebol também é tema 

Além do jogo no Maracanãzinho neste sábado entre Djokovic e Guga, os dois estarão presentes no Jogo dos Astros, disputado antes do jogo entre Fluminense e Cruzeiro pelo Campeonato Brasileiro, neste domingo(18). 

Petkovic, Zico, Renato Gaúcho e Bebeto, além dos tenistas, estarão presentes no campo, e Djokovic ficou animado com a possibilidade de jogar com tantos craques, ainda mais por uma influência familiar: 

"Meu pai era jogador de futebol, então pra mim é uma honra jogar com todos esses craques”, comentou Djokovic sobre o pai, Srdjan, a quem dedicou o título nas finais da ATP ao bater Roger Federer na final. O pai está internado em estado grave em um hospital de Belgrado, com uma doença respiratória.

Gustavo Kuerten se mostrou confiante para o jogo de domingo, desta vez em um quadra um pouco maior e com grama ao invés de terra: 

“Ele tem que estar preparado. No futebol, se o Petkovic montar um time melhor para mim, aí tem jogo”, brincou mais uma vez o ex-tenista, ao que Pet respondeu qual seria a posição de Djokovic durante o jogo. "Vou te colocar de atacante", divertiu-se.

Escolinha durará um ano

A inauguração da quadra, nesta quarta-feira, é apenas o início de uma estrutura montada para o tênis na Rocinha. Segundo a secretária de esportes do governo do Estado, Márcia Lins, a escolinha de tênis da Rocinha será inaugurada na próxima quarta-feira(21), com duração prevista de um ano a partir desta data: 

“Isso faz parte da consolidação da pacificação da Rocinha. Queremos mostrar que, definitivamente, o Rio de Janeiro é o estado dos grandes eventos”, declarou a secretária, sem deixar de lembrar como foram as negociações para trazer o tenista sérvio para o Brasil:

“Começou há um ano, quando o Pet nos procurou para oferecer esse duelo para posicionar o tênis no Rio. Logo em seguida, fomos pro prêmio Laureus, em Londres, e conversamos com ele sobre isso. É um sonho. Na época ele não era o número 1 do mundo, e hoje ele é o que nós vemos”, disse a secretária, talvez sem saber que Djokovic já era o número um do mundo no dia 1º de julho de 2011.

Márcia recordou que Guga esteve na Rocinha logo após a pacificação, em novembro de 2011, às vésperas de outro jogo amistoso que o catarinense disputou no Rio de Janeiro, na ocasião contra o espanhol Alex Corretja: 

“Quando o Guga esteve aqui no ano passado, surgiu a ideia de criar essa quadra de saibro aqui na Rocinha, que tem muitas pessoas que trabalham com tênis. É um sonho que hoje vira realidade”, finalizou a secretária.