Gremista defende Cássio e condena Romário: tem imunidade parlamentar 

O diretor executivo do Grêmio, Paulo Pelaipe, saiu em defesa do goleiro corintiano Cássio neste sábado, logo após o time gaúcho sucumbir contra o paulista por 3 a 1, no Pacaembu. O dirigente condenou as declarações do ex-atacante Romário, insinuando uma venda do camisa 1 ao futebol italiano por ligações com a CBF, e disse até que o atualmente deputado federal só fala essas coisas porque tem imunidade parlamentar.

"Talvez Romário faça isso porque está escudado, não pode tomar processo e tem imunidade parlamentar. O que ele já disse de bobagem, conhecemos ele, mas agora está impune e não pode ser cobrado judicialmente porque tem que passar pelo STF, pelo Supremo. Mas é lamentável que ele como cidadão faça isso à pessoa, para acusar isso tem que ter documentos, tem que provar", disse Pelaipe, em entrevista à Rádio Bandeirantes nos vestiários do estádio.

"Agora convocar goleiro que teve a defesa menos vazada da história da Libertadores e foi decisivo, talvez o Romário esteja bravo porque o Cássio defendeu a bola do Diego Souza, e o Cássio foi destaque da Libertadores. Vamos ser honestos, nessa posição o melhor goleiro que o Brasil tinha falhou, o Júlio César. Falar da honra de pessoa é ruim", continuou o gremista.

Romário havia feito criticas a um suposto "cartel nas convocações" de Mano Menezes e citou o goleiro do Corinthians como um dos beneficiados, após sua convocação para os amistosos contra África do Sul e China. O camisa 1 foi um dos herois da conquista corintiana na Libertadores deste ano, principalmente após defesa milagrosa em chute de Diego Souza, do Vasco, pelas quartas de final do torneio.

"Sobre a última convocação do Mano, mais um exemplo de que dentro da Seleção está havendo um cartel nas convocações. Espero que sem o conhecimento do presidente José Maria Marin e do vice Marco Polo Del Nero. A convocação do Hulk para as Olimpíadas e, logo em seguida, a realização de uma das transferências mais caras da história do futebol. O jogador saiu do Porto, de Portugal, para o Zenit, da Rússia, por 55 milhões de euros (R$ 140,8 milhões)", disse Romário, para em seguida citar Cássio.

"E, agora, o goleiro do Corinthians, que tem seus direitos econômicos ligados a pessoas da Confederação Brasileira de Futebol. Após a convocação e alguns jogos pela Seleção, se já não foi, será vendido para o Roma. Quem leva?", completou o ex-jogador há alguns dias,ainda antes do triunfo por 1 a 0 contra o time sul-africano.