Após escândalo, família de ex-treinador segue com benefícios

Foi divulgado pela mídia norte-americana neste sábado (14) um relatório interno da universidade Penn State, da Pennsylvania, que indicou a participação de pessoas da chefia da instituição e do ex-treinador Joe Paterno em um escândalo de abuso infantil.

Joe Paterno, que é um dos maiores vencedores da liga de futebol americano universitária dos EUA, faleceu em janeiro deste ano aos 85 anos vítima de um câncer, e deixou um lucrativo acordo com a universidade. Um dia após o escândalo, a conselheira da Penn State, Karen Peetz, disse à CNN que "contratos são contratos" e que "não há planos para mudar isto".

O acordo de Paterno com a Penn State foi feito em agosto de 2011 e, entre outras coisas, prevê um pagamento mensal para a sua esposa pelo resto da vida dela. As negociações, entretanto, começaram em janeiro de 2011, no mesmo mês que Paterno testemunhou perante um júri sobre o caso de abuso infantil que envolvia na época o ex-assistente técnico Jerry Sandusky.

Dez meses mais tarde Sandusky seria preso e, no mês passado, acusado oficialmente por abusar sexualmente de crianças por quase 15 anos.

Os advogados da família Paterno não foram localizados para comentar o assunto, mas neste sábado uma auréola que havia sido pintada sobre a imagem do treinador depois do falecimento foi apagada. Enquanto isso, Sandusky aguarda a sentença final das acusações de abuso.