"Marrento", Anderson Silva recusa Jon Jones e volta a desafiar clone 

Las Vegas (EUA) -  Já haviam se passado aproximadamente 20 minutos de entrevista com os principais destaques do UFC 148 neste sábado quando o filho e o sobrinho de Anderson Silva, vestindo terno e gravata, entraram na sala de imprensa do MGM Grand Garden Arena carregando o cinturão dos médios. Logo atrás veio o lutador brasileiro, que se sentou à mesa, estendeu uma bandeira nacional e foi mais do que conciso em suas declarações - muitas vezes, se limitava a dar um largo sorriso e o utilizava como resposta.

Anderson fez apenas uma declaração mais contundente, quando se recusou a escolher um novo adversário. Ele repetiu um discurso já conhecido ao ser questionado sobre quem gostaria de enfrentar na próxima luta. "Tem certeza de que querem que eu responda isso?", rebateu o brasileiro, para logo em seguida emendar: "meu clone".

>> UFC: Anderson Silva dá show e nocauteia Chael Sonnen

>> Após vitória, Anderson Silva convida Chael Sonnen para churrasco 

>> UFC 148 vira piada para humoristas e comemorações para lutadores 

>> UFC: derrotado, Sonnen evita polêmicas e reconhece: "o melhor venceu" 

>> UFC: Galvão mente sobre transmissão "ao vivo", e Globo é criticada 

Um possível adversário para Anderson Silva levantado por jornalistas estrangeiros durante a entrevista foi o fenômeno dos meio-pesados, o americano Jon Jones. Esta não é a primeira vez que tal sugestão é feita ao brasileiro, e a resposta do Aranha tampouco é novidade. "Não", disse ele.

Horas depois, o próprio Jones se manifestou a respeito da resposta de Silva. Via Twitter, o americano concordou com o brasileiro. "Imagino que o Anderson tenha ditto que não tem interesse em lutar comigo. Eu penso da mesma maneira que ele. Não há nada entre nós além de respeito", publicou o meio-pesado.

Ouvir sugestões para enfrentar adversários de outras categorias não é coisa nova para Anderson Silva, que já teve seu nome especulado para lutar contra Jones e também contra o canadense Georges St. Pierre, ex-campeão dos médios e atual dono do cinturão dos meio-médios. Essas insinuações apenas mostram a soberania do brasileiro na sua categoria de peso, mas ainda assim o Aranha se recusa a enfrentar outros adversários. E também nega que essa "zona de conforto" o deixe desmotivado.

"Tenho muita motivação. Estou aqui fazendo o que gosto, e o maior ânimo que tenho é poder estar aqui com caras como esses", afirmou Anderson, referindo-se à mesa com os destaques da noite. "Como o Tito Ortiz, que sempre fez história e já estava aqui antes mesmo de eu decidir se lutaria. Faço o que gosto, o que amo".

Os nomes mais prováveis para figurarem em um combate próximo com Anderson Silva, porém, são os de Hector Lombard, campeão dos médios do Bellator e que recentemente firmou contrato com o UFC, Mark Muñoz e Michael Bisping. No entanto, nem mesmo uma futura revanche com Vitor Belfort seria loucura de imaginar - embora o brasileiro ainda tenha pela frente um combate com Wanderlei Silva, programado inicialmente para o UFC 147, não fosse a contusão que Belfort sofreu durante os treinamentos.

Próximo adversário e Jon Jones eram assuntos mais ou menos previsíveis para a entrevista de Anderson. O que o brasileiro não deveria esperar era um jornalista mexicano tentando se infiltrar no churrasco para o qual Chael Sonnen foi convidado. O repórter perguntou se todos os profissionais de imprensa seriam convidados para o evento, e a resposta de Silva não poderia ser outra. "Não".