Justiça suspende torcidas organizadas em Goiás 

O juiz Eduardo Tavares dos Reis, da 14ª Vara Cível de Goiânia, decidiu, liminarmente, suspender as atividades das torcidas Força Jovem Goiás e Esquadrão Vilanovense por 120 dias. Assim, a Justiça acolhe, em parte, pedido feito em ação civil pública pelo Ministério Público Estadual protocolada esta semana, que era de suspensão das duas torcidas por 240 dias. A Torcida Dragões Atleticanos também foi suspensa, por 30 dias. O objetivo da medida era frear a violência entre torcedores de futebol, que já matou 11 pessoas em Goiás, desde 2011.

A última morte aconteceu no dia 15, quando um adolescente de apenas 14 anos, torcedor do Goiás, foi baleado dentro do ônibus que o levaria para o jogo contra o Aparecidense, em Aparecida de Goiânia (a 15km da capital).

"Fato é que, se por um lado o problema é de segurança pública e as mortes têm ocorrido fora dos estádios, de outro lado percebe-se a íntima ligação dos conflitos e mortes, com os integrantes de torcidas organizadas", justificou o juiz Eduardo Tavares na decisão liminar.

De acordo com a decisão, durante a punição, as torcidas não poderão receber inscrições de novos associados, comercializar ingressos nas sedes, ou utilizá-las para eventos, nem transportar torcedores. O ingresso com uniformes no estádio, bem como o uso de cartazes, bandeiras e até instrumentos musicais está proibido. A decisão é de aplicação imediata. A multa fixada é R$ 1 mil por dia, caso seja descumprida a decisão judicial.