Com novo horário e canaletas, Indy elabora plano antichuva em SP 

A principal novidade na estrutura de São Paulo para receber a Fórmula Indy em 2012 não é exatamente no traçado da pista, mas ao lado dele. Foi instalado um total de 110 m de canaletas, com as quais os organizadores esperam amenizar os efeitos de uma possível chuva, que atrapalhou a realização da prova nos dois últimos anos. Também com o mesmo objetivo, foi anunciada a antecipação do horário da largada da corrida, marcada para as 12h30 (de Brasília) de 29 de abril.

O sistema de drenagem foi implantado em alguns trechos do trajeto na região do Anhembi, nas proximidades da Rua Professor Milton Rodrigues e da Avenida Olavo Fontoura. A maior parte das canaletas, de caráter permanente, pode ser vista na Curva do Samba, na área da concentração do sambódromo paulistano.

"A intenção é continuar a corrida (mesmo se chover); talvez pare por causa da visibilidade, mas não parar como no ano passado", explicou ao Terra o subprefeito dos bairros Santana e Turucuvi, José Francisco Giannoni, que nesta quarta-feira acompanhou o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, na vistoria das obras do circuito.

Em 2011, a prova foi adiada de domingo para segunda-feira por causa de um aguaceiro que fazia os carros aquaplanarem, comprometendo o trânsito dos veículos de rua na Marginal Tietê no primeiro dia útil da semana. A largada do evento estava marcada para as 13h na ocasião e este ano ocorrerá 30 minutos antes. Os organizadores pleitearam a mudança junto à Indy tentando fugir de uma possível chuva que costuma ocorrer no final da tarde paulistana - são cerca de duas horas de corrida.

De acordo com Giannoni, o episódio serviu como uma "lição" para a prefeitura, que há duas semanas fez um trabalho de limpeza dos boeiros da região do sambódromo. "O drama todo é que a rede está abaixo da calha do Tietê", disse ele. "Quando o rio sobe, a água faz o refluxo, é um complicador que não tem jeito, para mexer com isso tem que mexer com toda a calha. O que a gente faz? Um paliativo: meter o hidrojato, arrancar toda a sujeira que acumula - terra, (garrafas) pet. Deixamos as galerias limpas para que a água possa fluir mais rapidamente".

Na tarde da última terça-feira, o subprefeito aproveitou a chuva que caiu sobre São Paulo para fazer um teste no circuito. O resultado foi positivo, embora a água não tenha vindo na quantidade do dilúvio que adiou a corrida da última temporada.

"Ontem (terça) choveu, viemos para cá, estava normal. A água normal de rua, dá aquela enchida natural, aquela lâmina, mas já escoa. Com a canaleta aqui acho que vai acabar, não deu uma lâmina; a água corria e entrava. Antes a água descia (para o traçado do circuito)", completou.