Fifa reafirma Valcke como interlocutor para Copa de 2014

O ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, falou grosso ao saber que Jérôme Valcke, secretário-geral da Fifa, queria "dar um chute no traseiro" dos brasileiros para fazer a preparação da Copa 2014 andar. Diversos integrantes do governo - e também da oposição - repudiaram a declaração do francês, que por pouco não se tornou persona non grata no Distrito Federal. Mas, passados 26 dias do episódio, tudo parece ter sido superado.

Valcke chegou a cancelar sua viagem ao País há algumas semanas, para evitar situações constrangedoras diante do calor dos fatos. Joseph Blatter, presidente da Fifa, viajou sozinho e teve reunião amistosa com a presidente Dilma, o que parece ter sido o suficiente para acalmar os ânimos.

Valcke pode ter ficado com a imagem desgastada, mas não foi e nem será descartado das negociações com o governo brasileiro, como queria o ministro dos Esportes.

Em Zurique, a Fifa deixou claro mais uma vez que não tem a menor intenção de procurar um novo interlocutor para lidar com o gabinete da presidente Dilma Rousseff. A mensagem foi entendida e repercutida pelos representantes do futebol brasileiro que estão na Suíça participando das reuniões na sede da entidade máxima do futebol.

"Isso é problema do governo e da Fifa. O COL não tem nada a ver com essa história", desconversou José Maria Marín, presidente da CBF e do COL.

Em entrevista ao Terra, o substituto de Ricardo Teixeira minimizou o episódio e afirmou que as desavenças entre Brasília e Zurique acabaram. "Na verdade, está tudo bem. Isso nem é mais um problema, no meu entendimento", disse.

O presidente da Federação Paulista de Futebol, Marco Polo Del Nero, novo integrante do Comitê Executivo da Fifa, também disse que não há chance alguma de Valcke ser afastado das negociações.

"Ele é o secretário-geral da Fifa. Ou seja, esse é o papel dele (negociar com o governo brasileiro)", afirmou. "Ele não quis ofender ninguém, foi mal entendido. As interpretações foram negativas, mas ele não seria deselegante de dizer isso. E também ele pediu desculpas, então é um caso totalmente superado."

Jérôme Valcke participou da reunião nesta quarta-feira na sede da Fifa para discutir o andamento das obras para o Mundial de 2014. No encontro, o Brasil voltou a ser criticado pelos atrasos constantes. A situação da Arena de Recife foi considerada a mais preocupante e a cidade corre o risco de ser descartada da Copa das Confederações em 2013.