Com homenagem a Sócrates e show de Neymar, time de Zico vence desafio

O Estádio do Morumbi, em São Paulo, recebeu na noite desta quarta-feira o Jogo das Estrelas, tradicional evento beneficente organizado por Zico, que reuniu grandes nomes do futebol. Em seu time, atuaram astros como Ronaldo, Neymar e Raí, enquanto a equipe adversária, chamada de Estrelas do Brasil, jogaram craques como Careca, Marcelinho Carioca e Dedé. Visivelmente mais forte, o combinado montado pelo ex-astro do Flamengo e atual técnico da seleção iraquiana saiu de campo com a vitória por 7 a 5.

Esta foi a primeira vez que o Jogo das Estrelas foi realizado em São Paulo - as outras sete edições haviam sido disputadas no Rio de Janeiro. Antes da partida, Zico fez homenagem a seu ex-companheiro de Seleção Brasileira e Flamengo, Sócrates, morto no início de novembro devido a um choque séptico. O ídolo flamenguista entregou a Raí, irmão do ícone corintiano, uma placa exaltando o ex-atleta.

O jogo começou animado, com os atletas aproveitando para tentar lances de efeito. Ronaldo buscou lançamento caprichado, mas o goleiro Victor, do Grêmio, evitou a investida dos Amigos de Zico. Aos 5min, coube ao anfitrião da festa abrir o placar. Após linda jogada de Neymar dentro da área, Zico recebeu passe, deu uma finta incrível em Ralf na pequena área e completou para o fundo das redes.

O momento era para a equipe de vermelho. Dois minutos após Zico marcar, Neymar foi derrubado na área, e Ronaldo cobrou o pênalti com precisão para ampliar. As Estrelas do Brasil iniciaram uma reação a partir de penalidade sofrida por Emerson e convertida por Djalminha.

Pelo lado adversário, quem demonstrava boa forma era Raí, arriscando passes precisos a seus companheiros. Aos 17min, o ex-camisa 10 do São Paulo tabelou e fuzilou o gol de Victor para marcar o terceiro do time de Zico. Quem brilhava, porém, era Neymar. Com "mais fôlego" que os veteranos em campo, o garoto do Santos animava a torcida com dribles e jogadas de efeito. Outros, porém, optaram por provocar o atacante com gritos de "Messi", em alusão à final do Mundial de Clubes.

De pênalti saiu o segundo gol das Estrelas, sofrido por Marcelinho Carioca e novamente convertido por Djalminha. Neymar, porém, ampliou a diferença a favor do time de Zico. Aos 38min, o atacante recebeu passe de Raí e completou ao tentar o domínio. Ronaldo teve a chance de fazer o quinto do jogo após grande jogada de Neymar, mas se confundiu e perdeu a bola para Victor.

Aos 42min saiu o gol mais belo até então. Neymar deu drible caprichado na entrada da área e tocou para Gabriel, que passou a Zico. O ídolo do Flamengo dominou com estilo e deu grande passe para Lucas driblar Victor e marcar.

Depois do intervalo, as Estrelas fizeram seu primeiro gol que não saiu em um pênalti e conseguiram um golaço. Aílton recebeu na entrada da área, tabelou com Djalminha e completou para o fundo das redes. As duas equipes voltaram com várias alterações, e vieram a campo nomes como Biro Biro, Milton Cruz e Dinei (que jogou com as mangas puxadas até os ombros).

Por ter os times repletos de veteranos, a partida diminuiu de ritmo no segundo tempo, ainda que o jovem Neymar mantivesse sua velocidade. A torcida não se importou e continuou com sua festa, fazendo uma "ola". O clima era tão descontraído que Neymar parou o jogo aos 19min para atender um telefone celular. A "ligação", porém, não era para ele, e o santista passou o aparelho para Lucas.

Pouco depois, os Amigos do Zico voltaram a marcar. Auxiliar técnico do São Paulo, Milton Cruz recebeu passe na área e completou. A resposta das Estrelas veio com Marcelinho Carioca, após bom passe de Djalminha, e depois com Dinei, descontando para 6 a 5 o marcador. Zico, já nos segundos finais, fechou o placar da partida.