Números da decisão com o Santos confirmam superioridade do Barcelona 

Um verdadeiro massacre: 768 passes, 73% de posse de bola e 17 finalizações, o que ajuda a explicar a vitória do Barcelona por 4 a 0, neste domingo, diante do Santos na decisão do Mundial de Clubes. Em Yokohama, os espanhóis mostraram porque têm a hegemonia do futebol na atualidade. São dois títulos mundiais e dois europeus e três espanhóis nos últimos três anos.

Individualmente, os dados do Footstats são ainda mais impressionantes: Xavi e Iniesta deram 110 passes cada um em 90 minutos e um aproveitamento irretocável. Xavi acertou 108 e Iniesta acertou 107. Busquets deu 66 passes não errou nenhum.

Fabregas (75 certos e 7 errados), Messi (82 certos e 5 errados) e Thiago Alcântara (47 certos e 4 errados) também replicaram a tendência de exímios passadores dos jogadores do Barcelona. Piqué, Puyol e Mascherano, que jogou quase 40 minutos, não erraram passes.

A comparação entre os números do Barcelona e do Santos é brutal: a equipe de Muricy Ramalho, que optou por escalar Bruno Rodrigo na lateral direita, Léo na esquerda e Danilo no meio, terminou com 27% de posse de bola, número que foi de 24% na primeira etapa.

Contra os 768 do Barcelona, o Santos conseguiu 233 passes. Ganso e Neymar, discretos, tocaram 23 vezes cada, respectivamente. Bruno Rodrigo e Léo, com 32 cada, foram os principais passadores santistas na partida.