Brasil estraga festa anfitriã, bate Japão e carimba ida a Londres

A Seleção Brasileira masculina de vôlei estará na Olimpíada de Londres. Neste domingo, em Tóquio, a equipe do técnico Bernardinho derrotou o Japão por 3 sets a 0 (parciais de 25/21, 25/19 e 25/22) no encerramento da Copa do Mundo de 2011 e estragou a festa promovida pela torcida da casa. 

Com o triunfo, o Brasil, que era o atual bicampeão do torneio, termina na terceira colocação da classificação geral, superando a Itália pelos critérios de desempate e assegurando presença nos Jogos de Londres.

Além da Seleção, a campeã Rússia e a segundo colocada Polônia também carimbaram o passaporte olímpico. A Itália, equipe que disputava a terceira vaga com o Brasil, terá que buscar sua classificação por meio do pré-olímpico europeu em maio de 2012.

O Yoyogi National Stadium contou com o provável melhor público da competição. A maioria era japonesa, e incentivava o time da casa com gritos coordenados de "Let's go, Nippon" e berros estridentes a cada ponto. O Brasil, porém, tinha seus fãs, que apoiavam com cantos e bandeiras.

A Seleção entrou em quadra com uma modificação em relação ao time que foi titular duante a competição. Bruninho, que foi o destaque brasileiro na vitória sobre a Polônia, assumiu o posto de principal levantador. Com este time, o Brasil teve um início irregular, que permitiu aos empolgados japoneses atacar e assumir a dianteira.

O set seguiu equilibrado, até que Sidão deu ao Brasil dois pontos de vantagem após ace cheio de curva. O saque passou a ser uma importante arma para a Seleção, que se tornou soberana no jogo. A igualdade do início deu lugar ao domínio completo da equipe "visitante", que caminhou tranquila para fechar o set em 25 a 21.

A empolgação voltou ao Japão com a perspectiva de um segundo set melhor. A equipe da casa realmente começou melhor e conseguiu três pontos de vantagem, motivando Bernardinho a pedir tempo para reorganizar o time. O bloqueio japonês era eficiente, e os anfitriões aproveitaram o momento ruim do adversário e abriram cinco pontos de diferença.

A partida seguiu complicada, ainda que a Seleção tenha reduzido a vantagem, Marlon e Theo vieram à quadra para tentar mudar o panorama da partida. Jogando "na loucura", o Brasil conseguiu o empate e virou no placar com saque de Giba. A partir daí, foram cinco pontos na sequência a partir do serviço do capitão para vencer a parcial por 25 a 19.

O Brasil pareceu ter aprendido o "segredo" para atacar o Japão. Em vez de usar a força, a Seleção superou a defesa anfitriã jogando com calma e astúcia, apostando no erro japonês. Desta maneira o terceiro set teve um começo bastante favorável aos sul-americanos, que se mantiveram quatro pontos à frente do adversário.

O Japão reagiu e diminuiu a diferença, que ficou em dois no segundo tempo técnico. O Brasil soube manter a calma e seguiu com a dianteira, apesar da melhora nipônica. O bloqueio brasileiro funcionou bem e ampliou a vantagem. Com 23 a 21, Bernardinho parou o jogo para dar calma ao time e encerrar o jogo. Ao fim, o triunfo por 25 a 22 garantiu o terceiro lugar e a presença na Olimpíada de Londres.