Ronaldo tem que "dobrar" patrocinadores antes de assumir COL

Os patrocínios pessoais de Ronaldo se tornaram um grande obstáculo para que o ex-atacante se torne oficialmente parte do Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo de 2014, de acordo com o jornal Folha de S. Paulo. A publicação afirma que o ex-jogador passou a quarta-feira negociando com parceiros para evitar conflitos de interesse caso ele seja nomeado pelo presidente da CBF, Ricardo Teixeira, como embaixador da Copa - um exemplo seria a Claro, empresa da qual Ronaldo é garoto-propaganda, que poderia ver a concorrente Oi (patrocinadora do Mundial de 2014) usá-lo em ações de marketing.

Outro problema para Ronaldo seria seu contrato com a Ambev, que, apesar de também ser patrocinadora da Copa, poderia usá-lo em propagandas do Guaraná - concorrente da Coca-Cola, antiga parceira da Fifa em Mundiais. O jornal também destaca que o trabalho do ex-jogador como sócio da 9ine, empresa de marketing esportivo e gerenciamento de carreiras, será impossível de conciliar com suas atividades no COL. O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) disse à publicação que considera o convite de Teixeira a Ronaldo um ato de esperteza do presidente da CBF, que buscou proximidade com alguém de imagem positiva, na tentativa de recuperar a própria imagem desgastada.