Caracas goleia Cuenca e espera Grêmio nas quartas-de-final

Portal Terra

SÃO PAULO - Depois de ser derrotado na primeira partida em um péssimo gramado no Equador, o Caracas aplicou uma goleada de 4 a 0 no Deportivo Cuenca e avançou às quartas-de-final da Copa Libertadores da América.

O time venezuelano conseguiu reverter com tranqüilidade a desvantagem que tinha após a derrota por 2 a 1 na partida de ida. Agora, o Caracas aguarda o seu adversário, que sai do duelo entre Grêmio e Universidad San Martín.

A equipe gaúcha está perto da vaga após vencer o primeiro jogo por 3 a 1, atuando fora de casa. O Grêmio pode até perder pela diferença de um gol no Olímpico, nesta quarta, que irá encarar os venezuelanos na próxima fase.

Precisando da vitória para avançar às quartas-de-final, o Caracas aproveitou a pressão da sua torcida para obter o domínio inicial do duelo frente o Cuenca. O clube venezuelano criou as melhores chances nos primeiros 20 minutos e exigiu boas participações do goleiro Cristopher Álvarez.

Entretanto, em uma falha da defesa equatoriana, Darío Figueroa recebeu livre dentro da área e deu um corte no goleiro rival, que desesperado fez o pênalti. Na cobrança, o próprio Figueroa chutou forte no canto esquerdo e abriu o placar para o Caracas.

Mesmo atingindo o resultado necessário, o Caracas seguiu pressionando o adversário e atuando melhor do que o Cuenca. Precisando do gol de empate para conquistar a vaga, os equatorianos abriram sua defesa e partiram para o ataque, permitindo espaços aos rivais, principalmente pela ponta direita.

Tamanho domínio se refletiu no aumento da vantagem para os venezuelanos. Aos 42 minutos, Rodrigo Prieto recebeu cruzamento da direita e, de cabeça, tocou no contrapé de Alvarez, decretando o 2 a 0 e levando uma vantagem tranqüila para os vestiários.

O Deportivo Cuenca retornou abatido para o segundo tempo e apenas observava o adversário jogar. Logo aos seis minutos, o atacante Emilio Rentería acertou um lindo chute da intermediária, sem chances ao goleiro rival, e aproximou ainda mais o Caracas da vaga às quartas-de-final.

Mas o massacre dos venezuelos não parou por aí, pois o principal símbolo e líder do time entrou em ação. O zagueiro Rey, capitão da equipe e jogador da seleção da Venezuela, cobrou falta com categoria aos 28 minutos do segundo tempo e decretou a goleada.