Campeonatos europeus se opõe a reformulação da Champions

Os campeonatos europeus se mostraram veementemente contra uma reformulação da Liga dos Campeões que resultaria na diminuição das receitas e do calendário das competições domésticas, anunciaram as ligas nacionais de futebol na Europa nesta sexta-feira, em assembleia geral realizada em Lisboa.

"Todas as ligas estão unidas" e "nosso objetivo principal é proteger as competições domésticas", declarou o presidente da European Leagues (EL), Lars-Christer Olsson.

"Os dez últimos anos foram negativos para as competições nacionais", continuou o mandatário sueco durante coletiva de imprensa.

A associação representante das Ligas, organizadoras dos campeonatos nacionais de futebol em toda a Europa, convidará os mais de 900 clubes que participam de suas competições para se reunirem em Madri entre 6 e 7 de maio e "debater a maneira como gostariam de ver evoluir as competições profissionais de futebol na Europa", anunciou Olsson.

Este encontro acontecerá na véspera da reunião previsto para 8 de maio em Nyon entre a Uefa e as Ligas europeias, que irão conversar sobre os projetos polêmicos de reforma da Liga dos Campeões, desenvolvida pela Associação Europeia de Clubes (ECA, na sigla em inglês).

Segundo a imprensa, o projeto principal das entidades europeias seria disputar, a partir da temporada 2024, a fase de grupos da Liga dos Campeões com quatro grupos de oito equipes, e não mais com oito grupos de quatro equipes.

Isso garantiria mais jogos aos clubes e, consequentemente, mais receita, mas também obrigaria uma reformulação no calendário. Um cenário cogitado seria a disputa de jogos da Liga dos Campeões nos fins de semana, algo que a European Leagues é veementemente contra.

Esta 'nova' Champions ficaria mais parecida com uma Liga fechada, com os seis primeiros colocados garantindo vaga na edição seguinte, independentemente de suas classificações nos campeonatos nacionais.

"A imprensa não inventou nada. A questão agora é saber como bloquear o caminho escolhido pela Uefa e pela ECA para mudar uma competição que manteria seu nome, mas seria completamente diferente", declarou à AFP o presidente da Liga espanhola, Javier Tebas.

"Ninguém poderá obrigar as Ligas a mudarem de formato contra sua vontade", concluiu o dirigente após a reunião em Lisboa, nesta sexta-feira.

 

tsc/jed/am