O pulso ainda pulsa

Botafogo vira sobre Madureira no fim, e mantém esperanças de classificação no Carioca

Foi suado, foi sofrido, mas o Botafogo, enfim, venceu a primeira em casa no Carioca. De virada, o alvinegro passou pelo Madureira por 2 a 1, no Nilton Santos, e manteve vivas as chances de alcançar o G4 da competição. De quebra, subiu para o quarto lugar do Grupo C da Taça Rio, dois pontos atrás do segundo, a Cabofriense.

Presente no Nilton Santos para acompanhar a partida do novo clube, Diego Souza logo entendeu por que a diretoria buscou sua contratação com urgência. Aos cinco minutos, Erik deixou Kieza na cara do gol, mas o camisa 9 chutou em cima de Douglas.

Macaque in the trees
Jonathan comemora gol de empate do Botafogo, que iniciou a reação, já no segundo tempo. Aos 21 anos, ateral marcou seu segundo pela equipe na temporada (Foto: Paulo Sergio/F8/Lancepress!)

O ditado mais repetido do futebol deu o ar de sua graça sete minutos depois. Com espaço, Luciano Naninho encontrou Bruno sozinho na área. Gatito Fernández, que se recuperou de lesão na mão muito antes do previsto, até fez a defesa, mas a bola rebateu em Marcinho e entrou. Constantemente perseguido, não demorou para o lateral ouvir as primeiras vaias da torcida.

Com uma bela jogada, o Botafogo renovou suas esperanças aos 17 do segundo tempo. Bochecha lançou Ferrareis na área, que dominou no peito e ajeitou para Jonathan bater colocado no canto.

O final ainda reservaria a redenção da dupla mais criticada pelos alvinegros. De tanto pressionar, a equipe chegou à virada aos 40. Marcinho cruzou com perfeição para Kieza, que cabeceou forte. Os toques no travessão e nas costas do goleiro antes de entrar simbolizaram o sofrimento até a vitória.

Botafogo: Gatito Fernández, Marcinho, Marcelo, Gabriel e Jonathan; Bochecha (João Paulo), Cícero, Erik, Luiz Fernando (Igor Cássio) e Gustavo Ferrareis (Rodrigo Pimpão); Kieza. Madureira: Douglas, Arlen, Pierre, Júnior Lopes e Rezende; Levi, Rodrigo Dantas, Bruno (Welber) e Luciano Naninho (Everton); Marlon (Derek) e Cláudio Maradona. Juiz: Rodrigo Carvalhaes de Miranda. Cartões amarelos: Marcelo, Marlon e Everton.