Um sonho catari

Sede da próxima Copa do Mundo, Catar é campeão asiático pela primeira vez

ABU DHABI - Quando decidiu "comprar" a Copa do Mundo de 2022 o principal objetivo do Catar era melhorar sua imagem junto à comunidade internacional. Nem em seus sonhos mais megalomaníacos o emir Tamin bin Hamad Al-Thani, que assumiu o poder em 2013 após seu pai Hamas bin Khalifa Al-Thani abdicar em seu favor, podia imaginar que três anos antes da maior competição esportiva do planeta seu país chamaria a atenção do mundo com sua modesta seleção, a 93ª no ranking da Fifa. Mas foi o que aconteceu ontem, na final da Copa da Ásia. Numa das maiores zebras da história, o Catar derrotou o Japão por 3 a 1 e conquistou pela primeira vez o título continental.

Para deleite do emir, a taça foi conquistada nos Emirados Árabes, o maior inimigo do Catar na atualidade. Os dois países estão com relações com relações diplomáticas rompidas desde 2017, quando o Catar foi acusado de apoiar o terrorismo, o que o governo de Doha (capital do Catar) nega.

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/2019/02/01/97x70/1_000_1cx5k6-213817.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c547dcd8fcfa', 'cd_midia':213824, 'ds_midia_link': 'https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/2019/02/01/627x418/1_000_1cx5k6-213817.jpg', 'ds_midia': 'Eufóricos, os jogadores da seleção do Catar comemoram o inédito título da Copa da Ásia  
', 'ds_midia_credi': 'Roslan Rahman/AFP', 'ds_midia_titlo': 'Eufóricos, os jogadores da seleção do Catar comemoram o inédito título da Copa da Ásia  
', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '627', 'cd_midia_h': '418', 'align': 'Left'}

A animosidade entre as duas nações chegou a tal nível, que o vice-presidente da Confederação Asiática de Futebol (AFC), o catari Saoud Al-Mohannadi, foi barrado ao tentar viajar de Omã para Abu Dhabi para acompanhar o torneio. Só conseguiu o visto dias depois de a competição ter começado. Jornalistas do Catar também tiveram dificuldade de entrar nos Emirados, mesmo estando credenciados para cobrir a competição.

Dentro de campo o Catar foi impecável. A equipe dirigida pelo espanhol Feliz Sánchez Bass venceu os sete jogos que disputou, fez 19 gols e levou apenas um, o marcado pelos japoneses na final.

Teve ainda o artilheiro Ali Almoez, que fez nove gols, um deles na final, de meia bicicleta. Nascido no Sudão, ele se tornou maior artilheiro de uma só edição da Copa da Ásia Os outros dois gols foram de Abdul Aziz e Akran Afif - Takumi fez o gol do Japão. Dos 11 titulares, sete nasceram no Catar. Além de Almoez, são naturalizados os zagueiros Khoukhi (argelino) e Al-Rawi (iraquiano) e lateral Ró-Ró (português).

O curioso é que Catar e Japão poderão se reencontrar na Copa América, que será disputada entre junho e julho, no Brasil. As duas seleções participarão como convidadas. O Catar está no Grupo B com Argentina, Colômbia e Paraguai. Já o Japão ficou no C, com Chile, Equador e Uruguai.