Jornal do Brasil

Esportes

O fracasso latino-americano na Copa do Mundo-2018

Jornal do Brasil

Mesmo contando com grandes estrelas, a América Latina fracassou na Copa do Mundo da Rússia-2018, com Messi afogado pela ansiedade da Argentina, o Uruguai, sendo vítima da França e o Brasil cedendo ao ímpeto da Bélgica.

Neymar disse que a eliminação no dia 6 de junho, em Kazan, foi o dia mais triste de sua carreira. O craque brasileiro não está sozinho, já que, pela quarta Copa consecutiva, o continente com alguns dos principais exportadores de talentos ficou sem troféu.

Desde o pentacampeonato do Brasil liderado por Ronaldo em 2002, em Yokohama, nenhum país latino-americano voltou a conquistar o troféu mais cobiçado do futebol mundial. A Argentina foi quem chegou mais perto, com o vice contra a Alemanha no Maracanã, em 2014.

Este ano, o Brasil imaginou que poderia chegar ao hexacampeonato sob o comando de Tite. A Seleção dominou as eliminatórias sul-americanas e chegou com favoritismo à Rússia, mas a primeira derrota em jogos oficiais sob comando do treinador foi justamente contra a Bélgica.

A "geração dourada" liderada por Eden Hazard e Kevin De Bruyne foi cirúrgica e venceu por 2 a 1, mas não foi páreo para a França na semifinal. No entanto, o estrago no Brasil já estava feito.

"Não queria ver uma bola na minha frente", confessou Neymar sobre a dor da eliminação, em entrevista à AFP após a Copa do Mundo.

O torneio foi especialmente amargo para o camisa 10 canarinho. Neymar chegou à Rússia disposto a lutar pela Bola de Ouro, mas acabou se tornando um meme global. Sua atuações ainda estavam afetadas por sua recente lesão no pé direito e seus dois gols não foram suficientes para eclipsarem as quedas e rolamentos exagerados, além da troca de penteados.

 

O sonho de Neymar não foi o único que se tornou um pesadelo. Lionel Messi também deixou a Rússia com o olhar perdido, contagiado por uma Argentina constantemente à beira de um ataque de nervos.

O craque do Barcelona nunca foi visto feliz em uma equipe que já chegou ao mundial ferida, depois de se salvar com uma classificação na última rodada das eliminatórias. O atacante foi decisivo para assegurar a vaga na competição, com três gols na última rodada contra o Equador, e evitar um vexame.

Na Copa do Mundo, no entanto, Messi perdeu um pênalti contra a Islândia (1-1) e demonstrou angústia antes do jogo contra a Croácia (0-3). O gesto do craque durante o hino escancarou a situação da equipe, que acabou perdendo por 4 a 3 para a França nas oitavas de final.

Em seu caminho até o título em Moscou, Mbappé e companhia também despacharam o Uruguai nas quartas de final. As lágrimas impotentes de Josema Giménez em campo antes do final da partida anteciparam a amargura daquela noite, que terminaria com a eliminação do Brasil pouco depois.

O continente ficou sem representantes no torneio, ficando de fora das semifinais pela primeira vez desde 2006. Com o bicampeonato da França, a Europa soma 12 títulos contra nove troféus da América do Sul.

Líder do mercado mundial, o Brasil é o maior exportador de jogadores do mundo. França e Argentina vêm logo atrás, na segunda e terceira colocações, respectivamente, como aponta o relatório do Centro Internacional de Estudos do Esporte (CIES).

 

Com James Rodríguez machucado, a Colômbia sofreu dolorosa eliminação nos pênaltis contra a Inglaterra nas oitavas de final. O México atravessou verdadeira montanha-russa, desde o escândalo nacional por uma festa dos jogadores até surpreender com vitória sobre a Alemanha na estreia.

A Costa Rica, que chegou badalada após ter sido a revelação de 2014, deixou o mundial sem nenhuma vitória na fase de grupos. Mesmo sem pontuar, o estreante Panamá comemorou sua primeira participação na Copa do Mundo.

A seleção do Peru encerrou 36 anos de espera para comemorar seu primeiro gol em uma Copa do Mundo, desde a última participação do país em 1982. A saudade dos peruanos inundou a Rússia de torcedores, que acabaram vencendo o prêmio "The Best" Fifa de melhor torcida.

As equipes já estão em fase de renovação para o próximo desafio: a Copa América-2019 sediada no Brasil.