Jornal do Brasil

Esportes

Em crise, Chievo anuncia Di Carlo para substituir Ventura

Ventura pediu demissão após 4 partidas como treinador

Jornal do Brasil

Na lanterna do Campeonato Italiano, o Chievo Verona confirmou nesta terça-feira (13) a contratação do técnico Domenico Di Carlo. O anúncio acontece dois dias depois do treinador Giampiero Ventura ter pedido demissão do cargo, aumentando ainda mais a crise no clube.

 

Aos 54 anos, Di Carlo irá substituir Ventura, que renunciou ao comando no Chievo após somente quatro jogos no time da cidade de Verona, no norte da Itália. Essa será a terceira passagem de Di Carlo como técnico do Chievo. O contrato do treinador é válido por seis meses e seu grande objetivo é salvar o time do rebaixamento. Caso consiga, receberá um substancial bônus econômico.

 

Na temporada passada, Di Carlo estava no Novara, na Série B, mas não conseguiu evitar o rebaixamento da equipe azzurra para a terceira divisão. Ele também tem passagens por Sampdoria, Livorno, Spezia, Cesena e Parma.

 

Giampiero Ventura - Apesar do bom trabalho feito no Torino entre 2011 e 2016, a carreira de Ventura ficou marcada por não ter conseguido classificar a seleção italiana para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia, após ter caído nos play-offs das Eliminatórias diante da Suécia.

 

Com a reputação arranhada, o treinador chegou a declarar na época que gostaria de voltar rapidamente a comandar um clube. A oportunidade apareceu no dia 10 de outubro, quando foi anunciado pelo Chievo, que está desesperado para escapar do rebaixamento, mas a experiência durou muito pouco.

 

Toda a polêmica começou após o empate de 2 a 2 da equipe gialloblu com o Bologna, válido pela 12ª rodada da Série A. O jogo era o quarto de Ventura a frente do Chievo e foi o primeiro ponto conquistado do clube após sete rodadas, mas no fim da partida, sem muitas explicações, Ventura pediu demissão.

 

A notícia caiu como um "raio" para o Chievo, tanto que o diretor esportivo do clube, Giancarlo Romairone, afirmou que a renúncia de Ventura foi "desajeitada", além da decisão ter sido motivada pelo "calor do momento". O presidente do Chievo, Luca Campedelli, até tentou convencer Ventura a continuar no cargo, mas nada mudou na decisão do treinador de 70 anos. O maior ídolo da história do Chievo, o atacante Sergio Pellissier, criticou a renúncia de Ventura em suas redes sociais, afirmando que o comandante é "louco".

 

"Nesta foto você pode ver toda a raiva que tenho agora. Um verão duro com o problema dos ganhos de capital, um começo de temporada a ser esquecido e, acima de tudo, a demissão de um treinador que, assim que chegou aqui, já queria sair", escreveu Pellissier, que com quase 500 partidas pelo Chievo, é o jogador com mais jogos disputados na história do clube.

 

"Louco! Em 22 temporadas como profissional, pensei ter visto tudo, mas sou forçado a admitir que sempre há algo novo. No entanto, no Chievo, estamos acostumados a sempre ter dificuldades e vamos sair de cabeça erguida. Não seja como Ventura, você ganha e perde junto, é assim que deve ser em um time. Não desista até acabar", acrescentou o jogador de 39 anos.

 

Sem ter vencido nenhum jogo no Campeonato Italiano até o momento, o Chievo está na lanterna da competição com a pontuação zerada. A equipe de Verona começou a temporada com três pontos negativos como punição por ter apresentado irregularidades financeiras.

 

Na próxima rodada, o Chievo terá um duro embate diante do Napoli, no dia 25, em Nápoles.