Fluminense recebe 6,7 milhões por acordo com Scarpa

O imbróglio judicial entre Fluminense, Gustavo Scarpa e Palmeiras está próximo de um desfecho. Um acordo entre as partes, a ser homologado nos próximos dias, prevê pagamento de 1,5 milhão de euros – cerca de R$ 6,7 milhões – ao Fluminense, valor que será retirado das luvas pagas pelo Palmeiras a Scarpa.

Para encerrar a novela, o jogador também vai abrir mão de aproximadamente R$ 1 milhão que o clube lhe devia. Os atrasos referentes a 2017 motivaram Scarpa a procurar a Justiça para rescindir com o clube em janeiro. Após conseguir a liberação, o meia assinou com o Palmeiras por cinco anos, mas, desde então, o entrave se transformou em uma batalha de liminares.

O acordo entre clubes e jogador já estava fechado há quase três meses, mas se arrastou por uma exigência de Gustavo Scarpa. O jogador queria a publicação de uma nota oficial em que o clube o agradecesse pela conduta e o isentasse de qualquer culpa no processo. O Fluminense relutou em aceitar essa condição, mas cedeu ao pedido e divulgou o comunicado em seu site oficial, na noite desta quarta-feira.

“O Fluminense Football Club comunica que chegou a um acordo com o atleta Gustavo Scarpa e com a Sociedade Esportiva Palmeiras. O clube sempre buscou este caminho e deseja ao atleta sorte e sucesso no restante da carreira. Agradecemos ao atleta pelo profissionalismo, dedicação e conduta correta durante todo o período em que esteve conosco”.

Além dos R$ 6,7 milhões garantidos no trato, o tricolor terá direito a uma pequena parcela de eventual venda futura de Scarpa por parte do Palmeiras. Em grave crise financeira, o Fluminense também eliminou o risco de um prejuízo de R$ 9 milhões, valor total da ação que o atleta movia contra o clube.

A multa rescisória de Gustavo Scarpa no Fluminense era de R$ 200 milhões. Em um primeiro momento, a diretoria exigia o pagamento integral do valor, mas acabou cedendo. José Luiz Scarpa, pai de Gustavo, foi o principal responsável pela costura do acordo.