Pezão vota em Piraí e diz estar confiante para chegar ao 2º turno

O candidato do PMDB ao governo do Rio, Luiz Fernando Pezão, votou em Piraí, no Sul do estado, no fim da manhã deste domingo. Ele esteve na Escola Municipal de Lajes, no bairro Lajes, acompanhado da mulher, Maria Lúcia Cautiero, e dos pais, que moram na cidade.

Pezão disse estar bastante emocionado, e falou sobre a alegria de voltar à região e votar em si mesmo para governador. "Estou vivendo um dos momentos mais felizes da minha vida. Nunca esperei, nem nos meus melhores sonhos, poder retornar um dia aqui na escola onde estudei e votar para ser governador. Estou emocionado. Desde a madrugada estão passando vários filmes na minha cabeça. É uma alegria imensa estar aqui com a minha família. Nestes últimos dois dias vi o carinho da população, das crianças, das pessoas idosas, amigos aqui de uma vida inteira. Trabalho com a emoção, com o coração. Então, isso tudo mexe demais comigo", disse Pezão.

Logo após votar, Pezão falou sobre os planos para o estado, caso seja reeleito. "Vamos continuar a focar fortemente na Segurança Pública para a Baixada, Zona Oeste, São Gonçalo e Niterói. Estamos criando mais três batalhões: em Itaguaí, Nova Iguaçu e Araruama. Também vamos aumentar os investimentos em escolas de Ensino Médio com horário integral e ensino profissionalizante. Quero proporcionar à população o que eu tive em educação, na escola pública da minha cidade. Outra área que vamos cuidar com carinho é a Saúde. Fazer os hospitais federais conversarem mais com a nossa rede e ajudar os municípios a terem a atenção básica à saúde, com as Clínicas de Família", afirmou.

Perguntado sobre as expectativas sobre o resultado nas urnas, Pezão preferiu manter a cautela e esperar o final do dia para comentar sobre um possível segundo turno.

"Temos de esperar a apuração. Ver se confirma a liderança, não é? Pesquisa é uma coisa, a confirmação nas urnas é outra. Se os resultados se confirmarem, começamos hoje à noite (domingo) a procurar partidos aliados e tentar ampliar a aliança. Meu trabalho agora é esperar e, se confirmado o segundo turno, me pendurar no telefone começar a perturbar todos os partidos", disse.