Último debate eleitoral ganha forte repercussão nas redes sociais

O último debate eleitoral, realizado na noite deste quinta-feira (2), pela Rede Globo, esteve entre os assuntos mais comentados do mundo no Twitter. Entre as manifestações de apoio e condenação aos candidatos, comentários sobre momentos da discussão ganharam as redes sociais. Discussões sobre programas de governo, displicência e desobediência às regras continuaram repercutindo entre os eleitores ao longo de todo o dia, principalmente na internet.

A discussão protagonizada por Eduardo Jorge e Levy Fidélix acerca da homofobia ganhou uma série de ‘memes’, uma imagem ou frase que se propaga na rede e se torna viral. O candidato do PV deu a oportunidade para Fidélix pedir desculpas pelas declarações homofóbicas que fez no debate da TV Recorde, no último domingo. Em sua resposta, o candidato do PRTB se defendeu dizendo:  “Candidato Eduardo Jorge, você não tem moral nenhuma para me falar disto”. Fidélix criticou as propostas de legalização das drogas e do aborto e alegou que não fez apologia ao crime porque defendia “uma posição cristã”.

>> Acusações esquentam último debate entre presidenciáveis antes do primeiro turno

Aproveitando-se da réplica, Eduardo Jorge voltou a condenar Levy Fidélix e defendeu suas propostas “em defesa da saúde das mulheres” e “para quebrar o poder do crime, ter um diálogo maduro com os usuários para diminuir os danos das drogas psicoativas ilícitas”. O candidato do PV convidou o candidato do PRTB a processá-lo e disse que Fidélix “envergonhou o Brasil com a sua atitude”. No momento da tréplica, o presidenciável chamou Eduardo Jorge de “cara” e manteve a postura de criticar o programa de governo do candidato do PV.

A discussão sobre as declarações de Levy Fidélix se estendeu à candidata Luciana Genro. Nas redes sociais, um dos momentos mais comentados foi quando a candidata do PSOL disse que seu oponente “deveria ter saído daquele debate algemado e diretamente para a prisão”. Em sua resposta o candidato se atrapalhou e disse que estava no seu “legítimo defeito” de se expressar. Ao perceber o erro o candidato imediatamente se retratou e reforçou a expressão “direito de me expressar” ao longo de toda a resposta.

Em outro momento do debate, Levy Fidélix anunciou que iria “elevar o nível” da discussão e chamou Pastor Everaldo para fazer sua pergunta. Os candidatos, que convergem em vários pontos de seus planos de governo, atacaram propostas de Eduardo Jorge e Luciana Genro em suas respostas, sem citar diretamente os nomes dos candidatos.

Dilma Rousseff também não escapou dos olhos e ouvidos atentos dos eleitores. Nas redes sociais, várias de suas frases foram amplamente repercutidas. Perguntada pela candidata do PSOL sobre o escândalo da Petrobras, Dilma disse: “Não acredito que tenha alguém acima de corrupção. Acho que todo mundo pode cometer corrupção”. A frase não foi bem recebida pelos eleitores. 

Em outro momento, o candidato Aécio Neves tentou fazer uma pergunta para a presidente, mas, pelas regras do debate, Dilma não poderia mais responder questionamentos naquele bloco. A presidente, então, fez uma brincadeira com Aécio, levantando os braços e se lamentando. O gesto arrancou risos dos convidados, candidatos e até do mediador do debate, o jornalista William Bonner.

Em seguida, outro momento de descontração também provocou risos na plateia. Após ser informado que não poderia fazer perguntas para Dilma Rousseff, Aécio Neves escolheu Eduardo Jorge. O candidato do PV estava lendo suas anotações e parecia não estar prestando atenção. “Quando o senhor acabar aí, vem responder uma pergunta, candidato”, brincou Aécio.

Eduardo Jorge também teve destaque outras vezes. Ao ser perguntado por Dilma Rousseff sobre o PRONATEC, o candidato do PV entrou no tema da divisão dos royalties do petróleo. A displicência de sua resposta arrancou sorrisos de Dilma, principalmente com o uso do diminutivo.  “Em relação ao pré sal nós temos nós temos divergências. Acho que esses royalties vão entrar pela porta e sair pela janela e virar um prejuízo para a saúde dos brasileiros e do Brasil. Porque isso vai significar mais petróleo e aí tem que vender mais petróleo. Vendendo mais petróleo é mais diesel e gasolina para envenenar todos nós nas nossas cidades e morrerem um por cada um milhão por causa desse 'royaltezinho'. Vai entrar pela porta dos fundos da saúde e sair a expectativa de vida pelas janelas”, disse o candidato.

Pastor Everaldo também não escapou dos atentos eleitores que comentavam o debate nas redes sociais. Quando perguntado pela candidata Marina Silva sobre o Bolsa Família o candidato se estendeu em sua resposta e não conseguiu finalizá-la. Após a réplica de Marina, Everaldo preferiu não comentar a fala da oponente e disse apenas que ia “continuar o que estava falando”.

Em outro momento do debate, Everaldo deveria escolher algum de seus oponentes para fazer uma pergunta sobre previdência. Contudo, desobedecendo regras do debate, o candidato perguntou para Aécio Neves sobre o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O candidato do PSDB começou a responder, quando foi impedido por William Bonner. Ao ser alertado que a pergunta era sobre previdência, o pastor se atrapalhou e perguntou “O que o senhor tem a me dizer sobre a previdência do Brasil?”. Após fazer a pergunta, Everaldo riu e foi acompanhado pela plateia.

Marina Silva e Dilma Rousseff se encontraram algumas vezes no púlpito do debate. Em uma delas, a candidata do PSB se exaltou e, mesmo sem ter mais direito de resposta, disse que Dilma falava de “maneira atrapalhada”. William Bonner tentou interferir, mas as candidatas continuaram a discussão por alguns segundos. Marina também discutiu com Luciana Genro e disse que seu programa de governo era “muito semelhante ao do PSOL”. Genro, que não tinha mais direito de resposta, balançou a cabeça com veemência, discordando.

Aécio Neves foi duramente criticado por eleitores após agradecer a presença do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, também do PSBD. Mesmo tendo sido alertado pelo mediador que não deveria seguir com as declarações, Aécio se disse “honrado” e “muito feliz” por FHC estar na plateia. Acompanhantes do candidato tucano aplaudiram sua homenagem e acabaram repreendidos novamente por Bonner.

Outra discussão amplamente repercutida nas redes sociais aconteceu entre Luciana Genro e Aécio Neves. O candidato ao PSDB se exaltou com a candidata do PSOL que imediatamente elevou a voz e mandou que ele não levantasse o dedo para falar com ela. Recuado, Aécio acabou se atrapalhando na resposta e atacou a candidata, quando já não havia mais direito de réplica, dizendo que ela “não estava preparada para um debate desse porte”.

Ao final do debate, os candidatos puderam tentar mais uma vez cativar eleitores. Contudo, o discurso de Levy Fidélix chamou a atenção. “Senhores, agradeço muito, sei que não vou ganhar nessa oportunidade porque os três que estão pontuando, a grande mídia, o capital e todos aqueles que os desejam já os escolheu. Mas estarei de volta com a insistência que Deus me deu e com o apoio de todos vocês, PRTB, 28, rumo à vitória. Muito obrigado a todo meu querido Brasil”, disse o candidato em um trecho de sua resposta.