Irmão de Roberto Requião invade comitê de Beto Richa no Paraná

Correligionários de Roberto Requião (PMDB) e de Gleisi Hoffmann (PT) “estouraram”, nesta quinta-feira, um comitê de campanha de Beto Richa (PSDB) no bairro Portão, em Curitiba, onde supostamente havia material contra as candidaturas dos adversários do governador.

Liderados pelo irmão de Requião, Maurício Requião, o grupo acionou a polícia e a Justiça Eleitoral, mas invadiu o local antes da chegada das autoridades para evitar a destruição de provas. Quando a Polícia Militar apareceu, Maurício, juntamente com um sobrinho de Requião, Tadeu de Melo e Silva, e o advogado Leonidas Chavez Filho foram detidos por invasão de propriedade privada.

O deputado Dr. Rosinha (PT) também acompanhava o grupo, mas não foi detido por possuir imunidade parlamentar. Até o Comando de Operações Especiais da Polícia Civil foi acionado.

Quando todos eram encaminhados para o 8° Distrito Policial para o registro de ocorrência e a prestação de esclarecimentos, um oficial de Justiça da Justiça Eleitoral chegou ao local. O barracão foi isolado pela polícia com pessoas ligadas às campanhas.

Segundo o advogado Gustavo Guedes, da campanha de Gleisi, após a chegada desse oficial, dos advogados, de representantes da OAB e do Ministério Público Eleitoral, a polícia recuou da decisão de encaminhar os envolvidos à delegacia. O advogado contou que o material contra Gleisi Hoffmann já foi apreendido e, no momento, o oficial de Justiça conduz busca por peças contra Requião.

A assessoria do candidato Beto Richa negou todas as acusações e garantiu que os correligionários de Requião teriam entrado no espaço com documentos falsos e queimado vários panfletos de campanha.