Discurso de Levy mobiliza quase 10 mil pessoas a protestar contra homofobia

Passeatas e 'beijaços' estão previstos para esta terça-feira, após discurso de candidato em debate

O discurso do candidato à presidência da República Levy Fidelix (PRTB) no debate entre os presidenciáveis que ocorreu no último domingo (28) causou indignação entre representantes da comunidade LGBT. Manifestações de repúdio ao candidato, que convocou uma “maioria heterossexual” a combater a “minoria homossexual” em rede nacional, estão marcadas para acontecer no Rio de Janeiro e em São Paulo. Nas duas manifestações, mais de 10 mil pessoas estão confirmadas nos eventos oficiais que circulam em redes sociais.

>> Dilma: não podemos conviver com discriminação e violência

>> PV entra com representação contra Levy Fidélix no Ministério Público

>> Comissão da OAB pede cassação da candidatura de Levy Fidelix

Durante o debate exibido pela Record, o candidato Levy Fidelix declarou que “dois iguais não fazem filho” após ser questionado pela candidata Luciana Genro (PSOL) acerca de sua postura contrária ao casamento igualitário. Após Luciana Genro lembrar o candidato que o Brasil é campeão de mortes da comunidade LGBT, Levy disse não fazer questão dos votos dessa parcela da sociedade e disse que não iria “estimular” a união homoafetiva. No tréplica, o candidato disse ainda que é preciso “ter coragem” e convocou uma “maioria” heterossexual a “enfrentar a minoria”.

Em São Paulo, quase 8 mil pessoas estão confirmadas no evento oficial, que acontecerá na Avenida Paulista. A manifestação na capital paulista será feita através de um “beijaço”, onde os participantes do movimento se beijarão como forma de protestar quanto ao discurso do candidato. No Rio, cerca de 3 mil pessoas deverão realizar uma caminhada pela Avenida Rio Branco, no Centro do Rio. O grupo se reunirá na Candelária e fará a caminhada até a Cinelândia. Ambas as manifestações estão marcadas para terem início às 17h.

Um dos criadores do evento que convoca a população para a passeata que acontece no Rio, o estudante de relações internacionais Breno Coimbra classificou a forma do candidato se referir às relações homossexuais como grosseira e vulgar. “Foi incômoda, principalmente, por fazer incitação à violência LGBTfóbica, por ter feito um chamado da ‘maioria para combater a minoria’”, queixou-se.

O estudante de 22 anos espera que as manifestações desta terça sejam uma forma da comunidade LGBT se mobilizar e marcar presença não só no ambiente virtual, mas também fisicamente. “Espero que seja uma forma de mostrar para a sociedade e para as autoridades que existimos, sentimos e exigimos o respeito e a garantia de nossos direitos, que devem ser iguais aos de todos os cidadãos. Além da nossa integridade e nossa vida, que foram colocadas à prova pela convocação feita por Levy para que nos combatessem”, disse.

Além das manifestações desta terça-feira, outros estados também estão organizando formas de demonstrar indignação. Em Porto Alegre, um evento está marcado para a próxima quinta-feira, às 12h30min, com concentração na Avenida Borges de Medeiros. Após fazer declarações durante o penúltimo debate presidencial, o candidato do PRTB declarou que irá solicitar proteção à Polícia Federal na reta final das eleições.

*Do programa de estágio do JB