Ibovespa encerra o pregão em baixa de 0,87%

O principal índice do mercado de ações encerrou a sessão desta terça-feira, 7, em queda de quase 1%, retornando ao nível dos 80 mil pontos, após uma manhã marcada pelo bom humor com o resultado de balanços locais positivos e em linha com os pares em Nova York. A reviravolta se deu sem fatos concretos, mas diante da renovação de temores em torno do cenário eleitoral, segundo profissionais que acompanham o mercado.

O Ibovespa fechou o pregão em baixa de 0,87%, aos 80.346,52 pontos, mas chegou a descer aos 79.923,07 pontos na mínima intraday. O giro financeiro foi de R$ 11,9 bilhões.

De acordo com José Faria Junior, diretor da Wagner Investimentos, rumores de que o candidato pelo PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, pode aparecer mais prejudicado em pesquisa eleitoral a ser divulgada amanhã fez com que os investidores se posicionassem na defensiva. "Como é uma pesquisa sobre como vota o eleitor em São Paulo, o Estado dele, isso é muito importante", afirmou.

A Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulga amanhã, às 11 horas, a pesquisa CNT/MDA sobre intenções de voto para presidente da República, governador e senador em São Paulo. A pesquisa, registrada no TSE sob o número SP-04729/2018, realizou 2.002 entrevistas, distribuídas em 75 municípios de todas as regiões do Estado, entre os dias 2 e 5 de agosto. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

"Vamos ver o que temos para amanhã concluir o movimento, mas notamos que a Bolsa está tentando parar em pontos de suporte de curto prazo. Se furar 80 mil, aumentam as chances de cair a 78 mil", disse o profissional.

Entre as blue chips, as ações da Petrobras caíram -0,39% (ON) e -1,57% (PN). No bloco financeiro, os papéis do Itaú Unibanco PN baixaram 0,60%, Bradesco PN caíram 1,51% e do Banco do Brasil ON perderam 2,13%.