Bolsas de NY fecham sem direção única com peso de tensões comerciais EUA-China

Os mercados acionários americanos reagiram às tensões comerciais entre Estados Unidos e China e fecharam majoritariamente em queda nesta segunda-feira, 18. No entanto, ações de tecnologia ajudaram o índice Nasdaq a encerrar o dia perto da estabilidade com a perspectiva de um acordo sobre a questão imigratória em solo americano.

O Dow Jones fechou em baixa de 0,41%, aos 24.987,47 pontos; o S&P 500 recuou 0,21%, aos 2.773,87 pontos; e o Nasdaq subiu 0,01%, aos 7.747,03 pontos.

"Os temores de uma nova escalada nas tensões comerciais estiveram presentes desde antes da abertura dos mercados mesmo sem nenhuma novidade no fim de semana nessa frente", disse a LPL Financial em nota a clientes.

De acordo com a corretora, apesar das preocupações no comércio, as negociações de ações na semana passada foram marcadas por um período de calma, "o que sugere que os participantes do mercado permanecem otimistas de que uma guerra comercial total será evitada".

Apesar do presidente dos EUA, Donald Trump, insistir que deseja negociar com Pequim para chegar a um acordo comercial com o gigante asiático, Mike Pompeo adotou uma postura mais dura. Em evento em Detroit, o secretário de Estado americano comentou que a China está engajada em uma economia "predatória em nível sem precedentes de furto de propriedade intelectual".

Para ele, as recentes afirmações chinesas sobre abertura e globalização são "uma piada". Não por acaso, as perdas que vinham desde o início do pregão se mantiveram.

As empresas de tecnologia, no entanto, não enfrentaram fortes perdas, com o foco dos investidores na questão imigratória dos EUA. Em meio a notícias no fim de semana sobre a separação de pais e filhos na fronteira sul americana, Trump comentou durante a tarde que está disposto a negociar com a oposição democrata para a formulação de um projeto de lei sobre imigração.

Embora tenha feito esse aceno, o presidente não deixou de criticar os opositores, ao dizer que "todos os problemas" relacionados à questão imigratória são de responsabilidade democrata. Além disso, ele afirmou que os EUA não irão se tornar um abrigo para refugiados ou um campo para imigrantes.

Apesar das duras palavras de Trump, investidores se mantiveram concentrados no fato de que o presidente se mostrou aberto a um acordo com a oposição.

Nesta terça-feira, ele fará uma reunião com congressistas no Capitólio para discutir os problemas imigratórios dos EUA. Com essa perspectiva, a ação do Facebook subiu 1,26%, a US$ 198,31, e a da Amazon avançou 0,46%, a US$ 1.723,79, ajudando o índice Nasdaq a apresentar ganhos.