Brasileiro compra mais carro em 2018

As vendas de veículos novos no Brasil subiram 4,8% em abril, informou ontem (7), a Anfavea,  entidade que representa as montadoras instaladas no país. Mais de 217 mil carros, picapes, vans, caminhões e ônibus foram emplacados em abril, o que levou o total vendido nos primeiros quatro meses do ano para 762,9 mil unidades. “A economia voltou a crescer e a redução da taxa de juros deu melhores condições de pagamento ao consumidor”, explica Antonio Jorge Martins, coordenador do MBA em Gestão Estratégica de Empresas da Cadeia Automotiva da FGV. 

Para o especialista, a queda da taxa básica de juros foi crucial para o resultado, visto que cerca de 65% da compra de veículos é realizada mediante endividamento. A Anfavea destacou as melhoras expressivas de todos os indicadores com relação ao mesmo período de 2017. Só no mercado de automóveis de passeio e comerciais leves, segmento que representa quase a totalidade das vendas (96%), o aumento com relação a abril do ano passado foi de 37,7%. No último mês, o setor colocou mais de 210 mil carros nas ruas. Apesar disso, Martins relativiza o crescimento interanual.

“O ano passado foi um dos mais achatados do mercado doméstico. Então, qualquer recuperação traz grandes percentuais de crescimento”, analisa. De fato, este é o melhor início de ano desde 2015, mas ainda está longe do pico alcançado em 2013, quando o setor vendeu mais de 1,1 milhão de veículos nos primeiros quatro meses. “No ritmo atual, só vamos retomar este patamar em 2022”, aponta o especialista, para quem as fabricantes devem continuar a mirar o mercado interno.

Produção caiu em abril 

Apesar da alta nas vendas, a produção de veículos caiu 0,5% em abril com relação ao mês anterior, segundo a Anfavea. Responsáveis pela maior fatia da produção, as fábricas de carros de passeio e utilitários leves entregaram 253,7 mil unidades em abril, 0,4% a menos do que em março. Também foram montados 9,1 mil caminhões, 8,6% a menos que no mês anterior. Menor parte da produção, 3,3 mil os ônibus saíram das fábricas em abril, uma evolução de 16,5% no mês a mês. Apesar das quedas, o desempenho neste primeiro quadrimestre foi 20,7% superior ao registrado em igual período do ano passado. Só em 2018, já saíram das fábricas mais de 965 mil veículos, a melhor marca dos últimos três anos.

Argentina preocupa 

O volume de exportações cresceu 8,4% de março para abril. Ao todo, foram embarcadas 73,2 mil unidades de todos os modelos para outros países, o que levou para 253,4 mil veículos o total vendido a mercados internacionais entre janeiro nos quatro primeiros meses (7,5%). A Argentina absorve cerca de 75% do volume exportado pelas fábricas brasileiras. O aumento da taxa básica de juros argentina para 40% ao ano, a fim de conter a fuga de dólares e a alta inflacionária, deve reprimir a demanda local. Segundo Antônio Megale, presidente da Anfavea, a expectativa era vender 1 milhão de veículos para os argentinos. Sem criticar a política econômica dos vizinhos, Megale garantiu que o setor está atento e que, até o momento, não houve corte de encomendas.