Bolsas de NY fecham em baixa, com política monetária dos EUA no radar

Os mercados acionários americanos fecharam sem direção única nesta segunda-feira, 23, à medida que os investidores acompanharam o forte avanço nos rendimentos dos títulos públicos dos Estados Unidos, em meio à expectativa de que a inflação acelere em solo americano e resulte em juros mais altos no país.

O índice Dow Jones encerrou o dia em queda de 0,06%, aos 24.448,69 pontos; o S&P 500 subiu 0,01%, aos 2.670,29 pontos; e o Nasdaq recuou 0,25%, aos 7.128,60 pontos.

O S&P 500 terminou o dia praticamente estável, em mais um dia marcado por oscilações nas bolsas em Nova York. Os principais indicadores acionários novamente apresentaram ganhos e perdas ao longo do dia. O viés negativo chegou a se acentuar por volta das 15h (de Brasília), mas perdeu fôlego e as ações apresentaram leve recuperação.

Durante todo o dia, o mercado de Treasuries foi o principal foco dos investidores. O rendimento da T-note de 10 anos chegou a tocar 2,99%, quase rompendo o nível simbólico de 3%, que não é atingido desde janeiro de 2014. O rendimento do título americano de 10 anos é uma métrica chave que afeta os custos de empréstimos para empresas e consumidores, e alguns analistas temem que as taxas crescentes dos Treasuries possam representar uma ameaça ao crescimento econômico e à lucratividade das empresas.

"Isso leva os investidores ao debate sobre se o aumento dos juros dos títulos públicos dos EUA será suficiente para reduzir a força da economia", disse o estrategista-chefe de investimentos da Northwestern Mutual Wealth Management, Brent Schutte. Ele e outros analistas disseram que os juros teriam que subir significativamente mais para afetar a economia americana.

No entanto, a alta dos rendimentos dos Treasuries representa a crença de que, com o emprego das tarifas sobre a importação de aço e de alumínio nos EUA, os preços dos metais irão subir e impulsionar a inflação, como mostrou, na semana passada, o Livro Bege, documento que mostra a tendência econômica em cada um dos distritos do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Com a inflação mais alta, o Fed poderia se sentir convidado a elevar as taxas de juros em um modo mais acelerado.

Ações de bancos, que deveriam subir em um cenário de juros mais altos, fecharam em baixa, após o juro da T-note de 10 anos falhar em conseguir ultrapassar o nível de 3%, na avaliação de analistas do Jefferies. "Uma pressão vendedora muito forte nos Treasuries poderia enviar ondas de choque nos mercados globais, pesando sobre os bancos", afirmaram. O Goldman Sachs recuou 2,10%, o JPMorgan cedeu 0,48% e o Citigroup teve baixa de 0,74%. Fonte: Dow Jones Newswires