Juros futuros ignoram dólar a R$ 3,40 e fecham em baixa com atividade fraca

Os juros futuros descolaram da dinâmica do câmbio nesta tarde de quinta-feira, 12, e encerraram a sessão regular em baixa. Apesar de o dólar marcar máximas ante o real e voltar a valer mais de R$ 3,41 no mercado futuro (contrato para maio) na segunda etapa dos negócios, as taxas dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) mantiveram o movimento observado na parte da manhã. Entre os principais vencimentos, o contrato com maior volume negociado hoje, no caso, o DI com vencimento em janeiro de 2020, encerrou com recuo de 0,08 ponto porcentual.

Operadores e analistas ouvidos pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, afirmaram que a fraqueza da atividade econômica, novamente evidenciada pelo resultado do comércio em fevereiro divulgado hoje pelo IBGE, fundamenta a baixa nas taxas futuras. "Os juros continuam ancorados na conjuntura de inflação baixa e atividade crescendo vagarosamente", diz um operador.

Apesar de o dólar oscilar em novo patamar (perto dos R$ 3,40), o fortalecimento da moeda ainda não surte grandes preocupações sobre a inflação. "A alta do dólar desde a último reunião do Copom foi de, aproximadamente, 4,3%. Ainda não é o suficiente para gerar sustos na inflação", afirmou o estrategista em renda fixa da Coinvalores, Paulo Nepomuceno.

Assim, o DI para janeiro de 2019 encerra sessão regular a 6,225% ante 6,259% no ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2020 fechou a 6,98% ante 7,062% no ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2021 fechou a 8,01% ante 8,092% no ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2023 fechou a 9,12% ante 9,162% no ajuste de ontem. O DI para janeiro de 2025 fechou a 9,64% ante 9,672% no ajuste de ontem.