Bolsas da Europa fecham na maioria em alta, com Milão em destaque 

As bolsas europeias fecharam sem sinal único, mas na maioria em alta nesta terça-feira, 6. A bolsa de Milão registrou a alta mais robusta, impulsionada por algumas notícias corporativas. Com isso, houve uma recuperação nessa praça, embora continue a haver cautela por causa das indefinições no quadro político depois das eleições de domingo.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,13%, em 371,36 pontos.

O fato de que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mostrou uma postura um pouco mais cautelosa sobre a imposição de tarifas à importação de aço e alumínio beneficiou as bolsas dos dois lados do Atlântico. Além disso, ajudaram também as críticas de colegas de partido dele no Congresso contra essas tarifas. A avaliação nos mercados foi de que diminuiu a chance de uma guerra comercial mais ampla e que Trump deve enfrentar dificuldades mesmo para impor essas tarifas.

Além disso, as bolsas foram ajudadas hoje pela notícia da Coreia do Sul de que a Coreia do Norte está disposta a se reunir com autoridades sul-coreanas e poderia até negociar com os EUA e desistir de seu programa nuclear. A notícia colaborou para impulsionar o apetite por risco entre investidores.

Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 0,43%, a 7.146,75 pontos. Entre os papéis mais negociados, Lloyds caiu 0,66%, Barclays avançou 2,00% e Glencore teve ganho de 0,99%.

Em Frankfurt, o DAX avançou 0,19%, a 12.113,87 pontos. Deutsche Bank e Commerzbank subiram 0,30% e 1,08%, respectivamente, enquanto E.ON teve ganho de 0,12%. Daimler subiu 0,39%, mas Steinhoff recuou 1,49%.

Na Bolsa de Paris, o CAC-40 teve ganho de 0,06%, a 5.170,23 pontos. Crédit Agricole subiu 1,37% e Société Générale avançou 1,40%, enquanto a montadora Peugeot avançou 0,34%. 

O índice FTSE-MIB, da bolsa de Milão, fechou em alta de 1,75%, a 22.202,50 pontos. Entre as ações em destaque, Telecom Italia subiu 5,95%, após relatos da imprensa de que a Elliot Management estaria comprando uma participação na telefônica. Fiat Chrysler, por sua vez, teve ganho de 5,67%, após a Moody's melhorar o rating da montadora. Intesa Sanpaolo avançou 0,93%, mas Eni caiu 0,51%.

Em Madri, o índice IBEX-35 recuou 0,04%, a 9.586,80 pontos. Entre os bancos espanhóis, Santander caiu 0,93%, enquanto BBVA subiu 0,61%. No setor de energia, Iberdrola teve queda 0,83%. Telefónica teve leve alta, de 0,26%.

Na bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 teve baixa de 0,21%, a 5 354,25 pontos. Banco Comercial Português caiu 2,19%, mas Altri e Galp avançaram 1,85% e 0,17%, respectivamente. (Com informações da Dow Jones Newswires).

Fonte: Estadão conteúdo