Bolsas da Ásia fecham em alta, apesar de rebaixamento da China

País teve nota de crédito reduzida pela Moody's

As bolsas do sudeste asiático encerraram o pregão desta quarta-feira (24) em alta, impulsionadas pela positividade dos mercados acionários de Nova York e favorecidas pela recente sequência de ganhos do petróleo, apesar do rebaixamento da nota de crédito da China, pela primeira vez desde 1989, de Aa3 para A1, a mesma do Japão.

Nesta terça-feira (23), as bolsas americanas avançaram moderadamente em Wall Street, graças principalmente ao bom desempenho de ações do setor financeiro.

Já o petróleo teve alta pela quinta sessão consecutiva, na expectativa de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) decida estender os atuais cortes na produção da commodity para além de junho, em reunião que terá amanhã em Viena.

O índice Xangai Composto teve leve alta de 0,07%, a 3.064,08 pontos, já o Shenzhen Composto subiu 0,53%, a 1.798,87 pontos.

Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei registrou ganho de 0,66% em Tóquio, 19.742,98 pontos. O sul-coreano Kospi subiu 0,24% em Seul, a 2.317,34 pontos. Já o Hang Seng subiu 0,10% em Hong Kong, a 25.428,50 pontos. O Taiex teve ganho de 0,37% em Taiwan, a 10.044,42 pontos.