Bovespa fecha em alta e dólar cai ainda de olho no cenário político

O principal índice Bovespa fechou em alta nesta terça-feira (23), em movimento de ajuste após as fortes quedas anteriores, em meio às incertezas do mercado diante crise política gerada por denúncias envolvendo o presidente Michel Temer.

O Ibovespa, principal indicador da bolsa, subiu 1,6%, aos 62.662 pontos. 

Às 10h29, o Ibovespa subia 0,28%, a 61.844 pontos. Na véspera, o índice recuou 1,54%, aos 61.673 pontos. As ações da JBS lideraram as perdas, caindo 31,34%, a R$ 5,98. As ações da JBS lideravam as perdas do dia e caíram 31,34%, a R$ 5,98.

Às 15h48, o índice tinha alta de 1,48%, aos 62.589 pontos.

Os papéis da JBS subiram mais de 9%, após o tombo de mais de 30% no dia anterior. Eletrobras também teve dia de forte alta. Na segunda-feira, a estatal anunciou um plano de aposentadoria voluntária para 4,6 mil funcionários e informou que contratou o banco BTG Pactual para assessorá-la em seu plano de venda de ativos.

O dólar fechou em leve queda nesta terça-feira (23), após acumular alta nos últimos dias, também de olho no cenário político interno, em meio aos esforços do governo para dar andamento no Congresso às reformas trabalhista e da Previdência.

A moeda norte-america caiu 0,31%, a R$ 3,2662. 

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, defendeu nesta terça-feira (23) a necessidade do Congresso "mostrar que não vai parar" e disse que a agenda econômica vai continuar "independente de qualquer coisa".

Às 10h29, o dólar tinha leve recuo de 0,05%, a R$ 2,2652.

Às 16h40, a moeda tinha queda de 0,18%, a R$ 3,2610. 

O Banco Central realizou nesta sessão o último dos três leilões anunciados de novos swaps cambiais tradicionais - equivalentes à venda futura de dólares - para tentar reduzir a volatilidade no câmbio após o estouro da crise política. Foram vendidos todos os 40 mil contratos. O BC também vendeu integralmente a oferta de até 8 mil swaps para rolagem dos contratos com vencimento em junho.