Petróleo recua com mercado de olho na produção norte-americana

Os barris de petróleo negociados em Londres e Nova York voltam a registrar queda nesta terça-feira (18). O mercado responde principalmente à alta na atividade de perfuração norte-americana. O recuo é antecedida por três semanas seguidas de ganhos.

De acordo com dados da Baker Hughes, o número de plataformas ativas nos Estados Unidos aumentou em 11, para 683, no décimo terceiro acréscimo semanal consecutivo, chegando ao maior nível em quase dois anos. 

Às 9h48, o barril de Brent para junho negociado na International Exchange Futures (ICE), em Londres, tinha queda de 0,61%, a US$ 55,02. Já o barril de WTI para entrega em maio, negociado no New York Mercantile Exchange (Nymex), em Nova York, perdia 0,47%, a US$ 52,40.

Às 14h22, o barril de Brent tinha queda de 0,70%, a US$ 54,97. No mesmo horário, o barril de WTI teve queda de 0,38%, a US$ 52,45. 

O dia 1° de janeiro marcou o início oficial do acordo firmado entre Opep e países de fora do grupo como a Rússia, em novembro, para reduzir a produção em cerca de 1,8 milhão de barris de petróleo por dia. Se encaminhado como o prometido, pode reduzir a oferta global em 2%. O desempenho norte-americano, contudo, tem deixado o mercado sob alerta. 

Os barris de petróleo, que custavam em torno dos US$ 100 até o final de 2014, chegaram abaixo de US$ 30 no ano passado, devido ao excesso de oferta global.