Petróleo opera em baixa conforme produção americana equilibra os cortes da Opep

Os contratos futuros dos barris de petróleo negociados em Londres e Nova York operam em baixa nesta terça-feira (7), conforme a redução da produção pela Opep e outros exportadores não conseguem equilibrar a crescente evidência do aumento da produção de petróleo de xisto nos EUA e com a demanda em baixa.

A demanda por petróleo na China cresceu no menor ritmo em pelo menos três anos em 2016, de acordo com dados oficiais. A informação se configura como o último de uma série de indicativos de que a demanda do país com o maior consumo de energia do mundo diminuiu.

O mercado também se preocupa com a paralisação do consumo de gasolina nos EUA. Os estoques do combustível cresceram cerca de 21 milhões de barris nos primeiros 27 dias de 2017, comparado com um aumento médio de menos de 12 milhões de barris na mesma época do ano durante a década anterior, de acordo com informações de estoque oficiais. A informação implica que há ou uma paralisação da demanda ou uma produção exagerada.

Às 9h38 (de Brasília), o petróleo WTI para março, contrato mais líquido, caía 0,21%, a US$ 52,90 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). No mesmo horário, o Brent para março registrava baixa de 0,16%, a US$ 55,63 o barril, na ICE.

Às 14h37, o barril de Brent tinha queda de 1,45%, a US$ 54,91. No mesmo horário, o barril de WTI tinha queda de 1,94%, a US$ 51,98.