Petróleo opera em alta, mas avanço do preço é controlado por produção americana

Os contratos futuros dos barris de petróleo negociados em Londres e Nova York operam em alta nesta segunda-feira (6), à medida que as crescentes tensões entre os Estados Unidos e o Irã, além dos cortes de oferta da Opep foram contrabalançados pelos amplos estoques e sinais de que os preços mais altos vão reativar a produção norte-americana. 

As companhias de energia dos EUA adicionaram novas plataformas de petróleo pela 13ª semana nas últimas 14, segundo informações divulgadas na sexta-feira. Mesmo com os cortes da Opep, os estoques de petróleo nos EUA aumentaram mais do que o esperado.

A tensão entre Teerã e Washington também é um fator de preocupação do mercado. Um teste de míssil iraniano levou a administração do presidente norte-americano, Donald Trump, a impor sanções a indivíduos e entidades ligadas à Guarda Revolucionária Iraniana. No entanto, um comandante dos Guardas Revolucionários disse no fim de semana que o Irã pode usar seus mísseis se sua segurança estiver sob ameaça.

Às 9h37 (de Brasília), o petróleo WTI para março, contrato mais líquido, subia 0,30%, a US$ 53,99 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). No mesmo horário, o Brent para março registrava alta de 0,11%, a US$ 56,87 o barril, na ICE.

Às 14h08, o barril de Brent tinha queda de 1,13%, a US$ 56,17. No mesmo horário, o barril de WTI tinha queda de 0,84%, a US$ 53,38.