'NYT': Descoberta de novos campos de petróleo deve manter preços baixos até 2018

Reportagem analisa impacto de novos campos de gás e óleo nos preços

Matéria publicada nesta quinta-feira (6) pelo jornal norte-americano The New York Times conta que os mercados globais de petróleo estão sendo inundados pelo crude a preços baixos, e as preocupações com as alterações climáticas são cada vez maiores. A última coisa que o mundo parece desejar é a descoberta de novos campos de petróleo e gás natural. Mas foram encontrados no último mês e dois deles estão nos Estados Unidos - um no Texas e o outro no Alaska. As novas descobertas, embora ainda preliminares e precisando de mais testes, podem significar ainda mais duas realidades no campo da energia: os preços do petróleo podem permanecer baixo por um longo tempo, e as companhias de petróleo vão continuar buscando aumentar suas reservas.

> > The new York Times Oil Glut? Here Comes Some More!

Segundo reportagem do Times as descobertas têm sido aclamadas pela indústria do petróleo, mesmo com as empresas buscando reduzir a exploração ao longo dos últimos dois anos, em um esforço para reduzir os custos, porque os preços do petróleo caíram de mais de US $ 100 o barril para cerca de US $ 50. Junto com que o entusiasmo vem a constatação de que os preços vão se recuperar até o final da década.

O NYT afirma que no entanto, essa visão contradiz as opiniões de muitos ambientalistas e especialistas em energia independentes. Eles dizem que o mundo precisa de menos avanços técnicos extraordinários para capturar as emissões de carbono a partir de combustíveis fósseis para manter a maioria dos hidrocarbonetos remanescentes no solo e atender às grandes metas da conferência do clima Paris, realizada em dezembro de 2015.

Além disso, alguns desses especialistas dizem que a demanda por petróleo nunca vai se recuperar totalmente por causa do surgimento de carros elétricos e medidas de conservação.

O diário fala que as novas descobertas agora estão o centro do debate. Na terça-feira (4), Caelus Energia anunciou que tinha encontrado um campo em águas rasas ao largo da North Slope, no Alasca que pode produzir até 2,4 bilhões de barris de petróleo, mais de metade das reservas do Equador, um produtor da OPEP.

Algumas semanas antes, Apache Corporation, disse ter descoberto um campo esquecido no West Texas que continha cerca de três bilhões de barris de petróleo e 75 trilhões de pés cúbicos de gás.

As novas descobertas também têm reforçado a confiança dentro da indústria que os Estados Unidos continuarão a ser uma grande potência no setor de petróleo - sendo capaz de produzir quantidades substanciais para consumo interno e exportação de grandes quantidades em todo o mundo, acrescenta o New York Times.

No ano passado, os produtores de petróleo americano contabilizaram $ 177 bilhões em ativos, de acordo com um relatório recente da IHS Energy, uma empresa líder de consultoria. Um novo relatório da empresa de advocacia internacional Haynes and Boone observou que 102 produtores de petróleo e gás americanas e canadenses pediram falência desde o início de 2015, envolvendo mais de US $ 50 bilhões em dívidas. A partir de 07 de setembro, 58 produtores haviam pedido falência este ano.

O preço do petróleo tem aumentado nos últimos dias, após a tentativa de acordo da semana passada entre os países pertencentes à Organização dos Países Exportadores de Petróleo para reduzir a produção modestamente no final do ano.

Os executivos da indústria expressam ceticismo quanto ao compromisso de corte na produção partindo do pressuposto de que os países podem não cumprir o acordo. 

Já se observa sinais de que as exportações líbias estão crescendo, e há pouca esperança de que o Irã vai reduzir sua produção e exportação agora que as sanções nucleares foram levantadas.

Mas os executivos do petróleo também observam que, com a indústria de investimento em exploração e produção em US $ 250 bilhões no ano passado, e um corte de US $ 70 bilhões a mais este ano, que é apenas uma questão de tempo antes que a demanda supere a oferta e os preços subam significativamente novamente, não até 2018 mas para 2020, no mínimo. Ou seja, quando houver ainda mais óleo disponível vindo do Texas, Alasca e outros lugares.

"Você precisa de novas descobertas para alimentar o sistema de abastecimento", disse Scott D. Sheffield, presidente-executivo da Pioneer Natural Resources, grande produtor do Texas. "Nós estamos com muito pouca oferta chegando."