'WSJ': Fundo asiático alcançou retorno de 40%

matéria relata que a empresa não tem o perfil típico dos fundos de hedge de Wall Street

matéria publicada neste sábado (23) no The Wall Street Journal conta que um fundo de hedge pouco conhecido de Cingapura, administrado por um ex-professor e um ex-estatístico, está discretamente alcançando alguns dos retornos mais altos do mundo, às vezes com estratégias de revirar o estômago baseadas em risco. O fundo da Quantedge Capital Pte. Ltd. registrou alta de 40% no primeiro semestre, já descontadas as taxas de administração, o segundo melhor desempenho deste ano numa lista de mais de 350 fundos de hedge que o banco HSBC Holdings PLC compila para seus clientes. Só em junho, o fundo saltou estimados 12%, segundo uma carta para seus investidores a que o The Wall Street Journal teve acesso. Investimentos na renda fixa puxaram a alta do mês passado, compensando as perdas com ações em meio à forte oscilação dos mercados deflagrada pela decisão do Reino Unido de sair da União Europeia, diz a carta.

O Journal diz que em respostas enviadas por e-mail, o fundo afirmou que reter títulos de dívida de longo prazo em seu portfólio e apostar contra os títulos de curto prazo — “um prêmio de maturidade” que tende a crescer em períodos de estresse no mercado — foi uma das suas estratégias lucrativas neste ano. No longo prazo, que é como muitos investidores avaliam fundos, o Quantedge apresentou um retorno anualizado médio de 27% desde sua criação, bem mais que fundos de hedge semelhantes. O fundo, que hoje administra US$ 1,3 bilhão, começou a operar no fim de 2006 com apenas US$ 3 milhões, segundo documentos de divulgação vistos pelo WSJ. A história de quase uma década do fundo o torna um dos mais duradouros — e mais bem-sucedidos — investidores a adotar o chamado “prêmio de risco”, uma abordagem que tem sido o núcleo de um número cada vez maior de produtos de fundos.

O texto do jornal norte-americano afirma que ao contrário dos fundos de títulos ou de ações, que montam suas carteiras em torno de uma classe específica de ativos, instituições como o Quantedge constroem as suas com base em riscos específicos, como deter ações de pouca liquidez, em vez daquelas fáceis de negociar, ou aplicar em títulos de dívida de vencimentos mais longos, em vez de bônus de curto prazo. Essas estratégias buscam lucrar com os retornos extras — os tais prêmios de risco — geralmente esperados nas apostas mais arriscadas, que compensam os investidores pelas chances maiores de eles terem prejuízos. O Quantedge tem um portfólio amplo comparado com muitos fundos semelhantes e usa programas automatizados de computador para, a qualquer momento, alternar entre combinações de mais de 100 posições de investimento que vão desde commodities a mercados de renda fixa, afirmou o fundo em suas respostas por e-mail. Segundo a estratégia de prêmio de maturidade, o fundo pode, por exemplo, apostar contra notas de três anos do Tesouro americano enquanto aplica em notas de dez anos. O Quantedge segue uma prática que pode ser perigosa. Muitos investidores elevam ou reduzem o risco em seus portfólios mudando suas posições. Isso os ajuda a evitar as perdas acentuadas e repentinas que os mercados experimentam em períodos de pânico, mas também pode significar lucros menores quando o mercado se recupera. O Quantedge, por sua vez, mantém uma medida comum de risco, a chamada volatilidade anualizada, no nível constante e anormalmente alto de 30%, o dobro ou o triplo da meta de fundos de hedge similares, segundo investidores.

O Journal fala que a prática aumenta as chances de o fundo alcançar ganhos acima da média, mas também eleva a probabilidade de grandes prejuízos. De fato, alguns investidores dizem que o risco de aplicar em fundos de alta volatilidade, como o Quantedge, é que as perdas fiquem tão altas que um investidor acabe sacando seu dinheiro do fundo com um enorme prejuízo. A AQR Capital Management LLC — fundada por ex-pesquisadores de finanças da Universidade de Chicago — e a Two Sigma Advisers LLC estão entre o crescente número de empresas que lançaram novos fundos centrados especificamente em obter lucros com prêmios de risco. Os retornos acima da média têm diferenciado o Quantedge numa época em que o setor de fundos de hedge se vê às voltas com anos de baixo desempenho. Desde que o Quantedge começou a operar no mercado, em outubro de 2006, os fundos de hedge produziram globalmente um retorno anualizado médio de 3,61% até o fim de junho, segundo a HFR Inc., que monitora dados de fundos. Fundos semelhantes ao Quantedge alcançaram um retorno anualizado médio de 5% no mesmo período, segundo a HFR.

Para finalizar, o WSJ relata que a empresa não tem o perfil típico dos fundos de hedge de Wall Street. Um dos fundadores, Chua Choong Tze, trabalhava anteriormente como professor de finanças em Cingapura. O outro, Leow Kah Shin, era estatístico nas Bermudas, segundo documentos de divulgação do fundo. O Quantedge também deu seus tropeços, como no surto de vendas generalizadas ocorrido nos mercados globais em meados de 2015, quando o fundo despencou 8,9% em junho e outros 16% em agosto. Numa carta que enviou em agosto para os investidores e a que o WSJ teve acesso, o fundo afirmou que seu desempenho durante a queda dos mercados tinha sido “decepcionante”.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais