Dólar fecha mais uma vez abaixo de R$ 3,80

Ibovespa também teve bom desempenho, fechando em alta pelo oitavo pregão seguido

O dólar reverteu a alta do início da sessão, fechando a quinta-feira (8) cotada a R$ 3,7931 na venda, uma queda de 2,17%. Essa foi a primeira vez, desde 9 de setembro, em que a moeda norte-americana terminou o dia abaixo de R$ 3,80. 

A divulgação da ata do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) teve peso significativo no recuo do dólar. O documento sinaliza que a análise sobre a alta dos juros norte-americanos será feita com cautela, levando em consideração a desaceleração da economia global e os níveis de inflação abaixo do ideal nos Estados Unidos.

>>> Fraqueza da economia global fez Federal Reserve manter juros

No Brasil, a rejeição das contas de 2014 da presidente Dilma Rousseff pelo Tribunal de Contas da União (TCU), na noite de ontem (7), não teve grande influência no câmbio. Isso porque, na visão de analistas, a decisão já havia sido precificada pelo mercado.

Nesta manhã, o Banco Central brasileiro deu continuidade a seu programa diário de interferência no câmbio, seguindo a rolagem de swaps cambiais com vencimento em novembro. Até agora, o BC já rolou US$ 3,069 bilhões - cerca de 30% do lote total, que corresponde a US$ 10,278 bilhões.

Puxada por Petrobras, Bovespa segura oitava alta seguida

Puxado pela disparada nas ações da Petrobras, que acompanharam a valorização nos preços do petróleo, o Ibovespa fechou em alta pelo oitavo pregão seguido. A divulgação da ata do Fomc também pesou nas negociações. No encerramento, o índice avançava 0,39%, para 49.106 pontos. 

No destaque das ações, a Petrobras acompanhou o bom desempenho do barril de petróleo e fechou o dia em alta de 3,37% em suas ações ordinárias (PETR3, R$ 10,75) e de 3,31% nas preferenciais (PETR4, R$ 8,75). Os papeis da Vale, entretanto, operaram entre perdas e ganhos durante todo o pregão. No encerramento, as ações ordinárias (VALE3) caíam 0,45%, cotadas a R$ 20,06, enquanto as preferenciais (VALE5) subiam 0,57%, a R$ 15,94.   

>>> Petróleo encerra em forte alta

Bolsas europeias revertem baixa e fecham em terreno positivo

As principais bolsas europeias fecharam a quinta em alta, impulsionadas por indicativos de que o Banco Central Europeu (BCE) e o Banco da Inglaterra (BoE) manterá uma política monetária "acomodatícia". Embora tenham aberto em baixa, os índices do Velho Continente consolidaram seus ganhos com a divulgação de atas das duas instituições financeiras.

Na ata da reunião de 3 de setembro do BCE, os membros do conselho de diretores do banco deixam claro que a situação econômica da zona do euro ficou mais desafiadora desde o segundo trimestre. Eles ainda apontam perspectivas negativas para a inflação da região.

O mesmo acontece na ata da última reunião do BoE. O banco britânico sinaliza que manterá sua seus juros em níveis baixos pelo tempo que for necessário. A instituição decidiu manter a taxa benchmark em 0,5%, menor nível histórico, e o teto de seu programa de compra de ativos em 373 bilhões de libras. 

Por fim, as expectativas em relação à ata da reunião de setembro do Federal Reserve emprestaram certa cautela às negociações do mercado europeu. O documento foi divulgado por voltas das 15h, no horário de Brasília, quando as bolsas da Europa já tinham encerrado seus trabalhados. 

No encerramento, o pan-europeu Stoxx 600 subia 0,19%, para 361,61 pontos. Este é seu quinto dia consecutivo de valorização, a mais longa sequência de avanços desde o início de agosto de 2015. 

Em Londres, o FTSE-100 subiu 0,61%, aos 6.374,82 pontos. Em Frankfurt, o DAX 30 avançou 0,23%, para 9.993,07 pontos. Em Paris, o CAC 40 teve alta de 0,18%, aos 4.675,91 pontos. Em Madri, o Ibex 35 se valorizou 0,11%, para 10.181,20 pontos.

Xangai fecha em alta de 2,97%; Tóquio cai 0,99%

As bolsas da China reabriram em alta nesta quinta, depois de permanecerem fechadas uma semana devido ao feriado nacional. Em Xangai, o índice Xangai Composto avançou 2,97% aos 3.143,36 pontos enquanto o SZSE Component subiu 4,07%.

Já em Tóquio, o Nikkei 225 caiu 0,99%, aos 18.141,17 pontos; em Hong Kong, o Hang Seng recuou 0,71%, aos 22.354,91 pontos; em Cingapura, o Straits Times caiu 0,38%, aos 2.951,81 pontos; em Taiwan, o Taiwan Weighted teve queda de 0,58%, aos 8.445,96 pontos.

Em Seul, o Kospi fechou em alta de 0,68%, aos 2.019,53 pontos. No encerramento em Sydney, o índice S&P/ASX 200 subiu 0,24%.

Na quarta-feira (7), as bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam em alta, impulsionadas pelas ações do setor de energia.

Por Ana Siqueira