Principais bolsas europeias fecham em alta e terminam julho no positivo

Principal índice da bolsa de Paris acumulou ganhos de 6,1% no mês 

As principais bolsas europeias encerraram o pregão em alta nesta sexta-feira (31), concluindo o mês em valorização. O período foi marcado por fortes quedas nas bolsas chinesas, divulgação de balanços corporativos, indicadores nos Estados Unidos e muita movimentação em relação à dívida grega, mas os ganhos das três principais bolsas fecharam acima dos 2%. O destaque ficou para o índice CAC 40, da bolsa de Paris, que com alta de 0,73%, acumulou ganhos de 6,1% em julho, aos 5.082 pontos. 

O índice pan-europeu Stoxx 600 teve sessão instável, alternando entre ganhos e perdas, mas encerrou em leve alta de 0,03%, aos 396 pontos. No mês, registrou valorização de 4%, o melhor desempenho desde fevereiro. 

O índice Dax, da bolsa de Frankfurt, teve alta de 0,46%, atingindo os 11.308 pontos e registrou alta de 3,3% no mês. Já o índice FTSE 100 da bolsa de Londres foi o que teve menor alta no período e na sessão dentre os principais mercados, com valorização de 0,41% nesta sexta e ganhos acumulados de 2,7% em julho, aos 6.696 pontos. 

No auge da crise grega, a população rejeitou medidas de austeridade exigidas pela União Europeia, mas Alexis Tsipras acabou cedendo à instituição e assinou acordo que prevê reformas econômicas e novos cortes no orçamento, que foi aprovado pelo Parlamento do país. Os bancos ficaram fechados desde o dia 29 de junho e foram reabertos apenas três semanas depois, mas ainda com restrições. Já a bolsa de Atenas, voltará a abrir na próxima segunda-feira (3), após mais de um mês fechada. 

>> Desemprego na zona do euro tem leve recuo em relação ao ano anterior

Segundo dados divulgados nesta sexta pelo Gabinete de Estatísticas da União Europeia (Eurostat), o desemprego na zona do euro registrou queda de 0,5 ponto percentual em junho na comparação com o mesmo período do ano passado. A taxa de 11,1% permaneceu estável, no entanto, na comparação com maio. 

A taxa é referente aos 19 países que utilizam o euro. Para toda a União Europeia (UE), no entanto, que compreende 28 países, o valor foi menor para o mês, de 9,6%. Esta taxa também permaneceu estável em relação a maio, mas teve retração na comparação com o mesmo mês de 2014, quando atingiu a marca de 10,2%.