Dólar atinge maior patamar em 12 anos e Bovespa cai pelo sexto pregão seguido

As pressões sobre a economia brasileira fizeram o dólar disparar nos últimos pregões e fechar nesta sexta-feira (24) cotado a R$ 3,34 . Este é o maior patamar desde o dia 1º de abril de 2003, quando a moeda encerrou ao valor de R$ 3,36. Já a Bovespa fechou mais um pregão em forte queda, com perdas de 1,13%, aos 49.245 pontos. É o sexto pregão seguido de queda do mercado brasileiro. 

A moeda americana teve alta de 1,553%, com valor de R$ 3,3470 na venda e a R$ 3,3453 na compra. Desde a última sexta-feira, a divisa subiu 4,79%. 

As maiores quedas registradas foram nos papéis ordinários da Eletrobras (ELET3), que tiveram recuo de 6,57% repercutindo ação judicial nos Estados Unidos aberta por investidores. O escritório de advocacia Rosen Law Firm entrou com processo contra a elétrica em nome de investidores que compraram ações da empresa no mercado norte-americano entre 10 de fevereiro de 2014 e 29 de abril de 2015. A alegação é de que não é possível certificar que a empresa prestou informações adequadas aos investidores e que ficou evidente a falta de controles internos e financeiros na estatal.

As ações da Petrobras também tiveram queda de 1,77% nas ordinárias (PETR3) e de 1,28% nas preferenciais (PETR4), com os investidores de olho na assembleia convocada pela empresa para definir a respeito da venda de ativos. Hoje, durante todo o dia, funcionários fazem greve em refinarias, terminais e usinas em dez estados, protestando principalmente contra uma possível venda. No exterior, os ADRs (American Depositary Receipts) da empresa registraram quedas mais fortes, entre 2% e 3%. 

>>Percepção do consumidor sobre economia é a pior desde 2005, diz FGV

A queda na bolsa continua repercutindo redução da meta do superávit e a eminente chance de rebaixamento na nota de crédito do país, combinada com resultados macroeconômicos ruins divulgados hoje. A percepção dos consumidores sobre a situação atual da economia, por exemplo, é a pior desde 2005, segundo divulgou a Fundação Getúlio Vargas (FGV). De acordo com a pesquisa, para 82,7% das famílias a situação da economia é ruim. Outros 12,2% disseram que o momento é "normal". Esse é o nível mais baixo da última década.

>>Confiança do Comércio tem menor nível desde 2010

Já o Índice de Confiança do Comércio (Icom) recuou 1% em julho deste ano, em comparação a junho, atingindo 89,8 pontos, o menor índice da série histórica iniciada em março de 2010 (livre de influências sazonais). O ajuste sazonal ocorre quando os técnicos descontam o aumento ou diminuição das vendas de produtos em feriados ou datas comemorativas.