Primeiro ministro grego descarta renúncia

Parlamento aprova segundo pacote de medidas impostas pelos credores

O primeiro ministro grego, Alexis Tsipras, disse na noite desta quarta-feira (22/7) que está determinado "a não abandonar o bastião" do governo e a prosseguir com a "batalha" para melhorar as condições do plano de socorro firmado com os credores.

Nesta quinta-feira (23/7) o Parlamento grego aprovou o segundo pacote de medidas de austeridade exigido pelos credores, que estão relacionadas ao sistema bancário e ao código civil do país.

>>Parlamento grego aprova segundo pacote de medidas para novo resgate

Em seu discurso antes da votação no Parlamento, Tsipras declarou que a presença da esquerda no governo é um bastião para a defesa dos interesses do povo e que a renúncia dele ao cargo estava descartada. Tsipras se referia à debandada de deputados do Syriza, partida do governo,  opostos ao acordo com os credores.

"Não seremos covardes e combateremos com determinação as batalhas que temos pela frente", garantiu o primeiro ministro.

"Fomos submetidos a um difícil compromisso (...) Chegamos aos limites da nossa economia, do nosso sistema bancário e até aos limites da Europa, onde dominam forças conservadoras que têm obsessão pela austeridade", afirmou Alexis Tsipras, ao repetir que seu governo aplicará um acordo "no qual não acredita".

Tsipras destacou que seu principal sucesso nas negociações é que "já não se discute se haverá a reestruturação da dívida pública do país, e sim até onde ela será reestruturada".  Ele pediu ainda a seus partidários que se "adaptem às novas realidades" e disse que a batalha na Grécia se dará especialmente contra a corrupção e o clientelismo, especialmente. "Acredito e sempre acreditei que não se pode culpar os estrangeiros por nossos problemas", discursou.