Transpetro tem dez novas embarcações de porte médio em operação

Com a viagem inaugural hoje (3) do navio Anita Garibaldi, que partiu do Estaleiro Eisa Petro-Um, em Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro, a Transpetro, subsidiária da Petrobras, tem dez novas embarcações em operação. O navio seguiu para o Terminal da Ilha d’Água, na Baía de Guanabara, onde fará seu primeiro carregamento, informou a assessoria de imprensa da estatal.

O navio Anita Garibaldi integra o Programa de Modernização e Expansão da Frota da Transpetro (Promef) e é o primeiro da série de petroleiros de tipo panamax (porte médio) que homenageiam importantes mulheres da história do Brasil. Dos três panamax restantes que se acham em construção, dois foram batizados com os nomes de Irmã Dulce e Zélia Gattai.

Os navios do tipo panamax são petroleiros para o transporte de óleo cru e produtos claros e escuros, e recebem esse nome porque cabem no Canal do Panamá. Eles têm, em média, 228 metros de comprimento e capacidade para transporte de 650 mil barris.

Atualmente, segundo a Transpetro, 14 embarcações incluídas no Promef estão em construção, das quais quatro devem ser entregues ainda este ano. Para a empresa, a ampliação da frota de navios de bandeira brasileira no transporte e na comercialização de petróleo e derivados, no país e no exterior, diminui a necessidade de utilização de embarcações estrangeiras, ao mesmo tempo em que favorece o aumento da mão de obra nacional na construção e operação dos navios.