'FT': Estrangeiros acumulam ações da China enquanto sinal vermelho é aceso 

Os fundos de investimentos acionários chineses arrecadaram US$ 4,6 bilhões de investidores estrangeiros na última semana, de acordo com dados da EPFR divulgados na sexta-feira, mais do que o dobro da alta anterior registrada no segundo trimestre de 2008. Nessa época, as ações chinesas estavam no meio de uma longa e dolorosa queda depois do estouro da bolha do mercado de ações de 2007. É o que diz uma matéria de Josh Noble do jornal britânico Financial Times, publicada nesta sexta-feira (29/05)

As alocações da China em fundos de mercados emergentes e pan-asiáticos também alcançaram uma alta recorde, conforme mostram dados da EPFR.

O lançamento veio apenas algumas horas depois de uma dramática queda nas ações chinesas. O mercado de Shanghai encolheu 6,5% na quinta-feira, sua segunda maior queda diária este ano, enquanto o índice Shenzhen caiu 5,5%.

A queda de quinta-feira interrompeu uma trajetória positiva de sete dias para o mercado chinês, durante a qual ganhou mais do que 14% e alcançou seu nível mais alto desde 2008.

Na sexta-feira, os dois mercados experimentaram negociações agitadas, com o Shanghai Composite caindo 4% nos primeiros minutos, antes de fechar em baixa de 0,2%. O índice Shenzhen subiu 1,3%, tendo perdido 4,2% no início do dia.

A ChiNext terminou 3,2% mais alto. “Com valorizações separadas dos fundamentos econômicos, a maior volatilidade que assistimos deverá continuar,” disse Kevin Ferriter da Capital Economics em um relatório.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng se manteve baixo, enquanto o índice China Enterprises caiu 0,5%. A venda de quinta-feira foi atribuída a um número de fatores possíveis, incluindo uma série de novos anúncios que devem enfraquecer a liquidez do mercado, e um movimento do governo chinês para reduzir suas holdings em dois grandes bancos.

A China National Nuclear Power está pronta para se abrir ao público no próximo mês, naquela que provavelmente poderá ser a maior oferta pública inicial em Shanghai em cinco anos. Está buscando arrecadar mais de US$ 2 bilhões. Espera-se que a volatilidade permaneça alta acima da decisão de 9 de junho da MSCI sobre a inclusão das ações chinesas em seus índices globais, podendo lançar bilhões de dólares de dinheiro estrangeiro no mercado.

Entretanto, muitos analistas acreditam que a atual queda deverá representar pouco mais do que uma pausa, com a alta pronta para se seguir nos próximos meses. "Acreditamos que os mercados estão destinados a for uma consolidação saudável depois de uma alta muito forte que levou as valorizações a níveis caros," disse Irene Chow, estrategista da China no Bank Julius Baer. "Reiteramos que esse sentimento vai continuar a ser apoiado por políticas pró-crescimento do governo e medidas de reforma."

Os mercados chineses de ações têm tido tranquilamente os melhores desempenhos do mundo este ano, com o índice Shenzhen dobrando e atingindo uma alta recorde, e o Shanghai Composite com alta de cerca de 5%.  Como milhões de novos investidores do varejo injetaram dinheiro em ações, o volume de comercialização em Shanghai e Shenzhen disparou, atingindo um número total de mais de US$ 300 bilhões na quinta-feira. No mesmo dia, a Bolsa de Londres viu os volumes de transações caírem abaixo de US$ 8 bilhões.