Contas do governo têm pior resultado até abril em 14 anos

Relatório divulgado pelo Tesouro Nacional nesta quinta-feira mostra que o governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) registrou superávit primário de R$ 10,1 bilhões em abril. As receitas somaram R$ 99,2 bilhões e as despesas, R$ 89,1 bilhões. O resultado representa uma queda de 39,2% em relação ao mesmo período do ano passado, de R$ 16,612 bilhões.

No acumulado do ano, o resultado somou R$ 14,59 bilhões, uma queda de 50,9 % em relação ao primeiro quadrimestre do ano passado, quando o superávit primário acumulado era de R$ 29,732 bilhões. Esse é o pior desempenho para os quatro primeiros meses do ano desde 2001, quando o saldo foi de R$ 13,2 bilhões.

O compromisso do governo é fazer um superávit primário de R$ 55,3 bilhões este ano. Considerando o setor público consolidado - que inclui governo central e estados e municípios - a meta é de R$ 66,3 bilhões, ou 1,1% do Produto Interno Bruto (PIB).

No acumulado do ano, a arrecadação chegou a R$ 354,8 bilhões, o que representa um crescimento de 3% sobre 2014. Já as despesas da União foram de R$ 340,2 bilhões e subiram num ritmo bem mais forte: 8,1%.

Segundo o Tesouro, os gastos de custeio somaram R$ 78,26 bilhões até abril, o que representa um crescimento de 14%. Já os desembolsos com pessoal e encargos foram de R$ 72,8 bilhões, com alta de 6%. Por outro lado, os gastos com investimentos chegaram a R$ 19,3 bilhões e caíram 29,4% no mesmo período.