Ministérios das Cidades, Saúde e Educação lideram cortes no Orçamento

Os Ministérios das Cidades, da Saúde e da Educação lideraram os cortes no Orçamento Geral da União de 2015, de acordo com anúncio feito pelo Ministério do Planejamento. Juntas, as três pastas concentraram 54,9% do contingenciamento (bloqueio) de R$ 69,946 bilhões de verbas da União.

No Ministério das Cidades, o corte chegou a R$ 17,232 bilhões. Na Saúde, o bloqueio atingiu R$ 11,774 bilhões. Na Educação, o contingenciamento totalizou R$ 9,423 bilhões. Em seguida, vêm os ministérios dos Transportes (R$ 5,735 bilhões) e Defesa (R$ 5,617 bilhões).

>> Governo anuncia corte de R$ 69,9 bilhões no Orçamento

>> PAC sofre contingenciamento de R$ 25,9 bilhões no Orçamento de 2015

>> Governo aumenta para 1,2% previsão de contração para economia em 2015

>> Corte em emendas parlamentares chegará a R$ 21,4 bilhões

>> Economia com seguro-desemprego e abono cai para R$ 5 bilhões após acordo

>> Cortes em programas sociais podem gerar recessão ainda maior, diz economista

>> Barbosa garante que cortes não afetarão compromissos já assumidos

Mesmo com o contingenciamento, o governo garantiu que os principais programas sociais estão preservados. Segundo o Ministério do Planejamento, o orçamento do Ministério da Educação continuará com valor acima do mínimo estabelecido pela Constituição em R$ 15,1 bilhões, preservando os programas prioritários e garantindo o funcionamento das universidades e dos institutos federais.

Na Saúde, o orçamento também ficará acima do mínimo constitucional em R$ 3 bilhões, com recursos assegurados para o Sistema Único de Saúde e os programas Mais Médicos e Farmácia Popular. De acordo com o Ministério do Planejamento, no Ministério do Desenvolvimento Social o valor preserva o Bolsa Família, com R$ 27,7 bilhões, e mantém os demais programas do Plano Brasil sem Miséria.