Índice Nacional de Custo da Construção sobe em fevereiro

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) registrou, em fevereiro, taxa de variação de 0,80%, acima do resultado do mês anterior, de 0,39%, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). No ano, o índice acumula variação de 1,19% e, nos últimos 12 meses, a taxa registrada é de 7,35%. 

O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,59%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,39%. O índice referente à Mão de Obra registrou variação de 1,00%. No mês anterior, a taxa foi de 0,39%. O INCC-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

Materiais, Equipamentos e Serviços

No grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, o índice correspondente a Materiais e Equipamentos registrou variação de 0,57%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,30%. Dos quatro subgrupos componentes, três apresentaram acréscimo em suas taxas de variação: materiais para estrutura (0,16% para 0,31%), materiais para instalação (0,47% para 1,42%) e equipamentos para transporte de pessoas (0,39% para 0,90%).

A parcela relativa a Serviços passou de uma taxa de 0,70%, em janeiro, para 0,69%, em fevereiro. Neste grupo, vale destacar a desaceleração do subgrupo serviços pessoais, cuja variação passou 0,68% para 0,47%.

Mão de obra

O grupo Mão de Obra registrou variação de 1,00%, em fevereiro. No mês passado, a taxa havia sido de 0,39%. A aceleração foi consequência de reajustes salariais ocorridos em Belo Horizonte, onde a taxa passou de 2,60% para 6,27%. Em Porto Alegre, a taxa de 2,24% decorre do adicional previsto no acordo coletivo. Em Salvador e São Paulo as taxas apuradas refletem pequenas oscilações de mercado.

Capitais

Cinco capitais apresentaram aceleração: Salvador, Belo Horizonte, Recife, Porto Alegre e São Paulo. Em contrapartida, Brasília e Rio de Janeiro registraram desaceleração.