Mantega admite 'ano difícil', mas prevê retomada da economia

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, admitiu que a crise econômica que afeta os países da zona do euro e os Estados Unidos prejudicou o ritmo do crescimento do Brasil em 2012. Ao receber, na noite desta segunda-feira o prêmio "Brasileiro do Ano", da revista IstoÉ, Mantega comparou o ano atual a 2009, período que se sucedeu à crise mundial de 2008 - uma das mais graves da história recente.

"A recaída da crise internacional prejudicou o ritmo dos investimentos neste ano no País, mas a retomada já começou. (...) Por isso 2012 é muito parecido com 2009, quando os investimentos só retornaram no último trimestre do ano. Mas os dados deste ano já mostram um processo de recuperação dos investimentos (no País)", disse Mantega, em discurso a empresários em São Paulo.

"Naturalmente a crise na zona do Euro e nos Estados Unidos estão retardando os avanços da economia brasileira. 2012 foi um ano difícil, que começou com a desaceleração da economia, mas termina com ela se acelerando, rumo a um novo ciclo de forte expansão e dinamismo", completou o ministro da Fazenda.

Durante os 10 minutos em que discursou, Mantega listou as ações do governo federal para diminuir a desigualdade social no Brasil e protegê-lo das crises externas. De acordo com ele, desde 2006, quando assumiu a pasta, até o ano passado, o País vem crescendo a um ritmo superior a 4% ao ano, o que fez com o desemprego caísse pela metade no período, chegando a 5,3% em outubro.

Na avaliação de Mantega, embora as crises externas tenham impacto sobre o mercado interno, os brasileiros não têm sido diretamente afetados por elas.

"Desde 2006, o nosso PIB (Produto Interno Bruto, que corresponde à soma de todas as riquezas do País) cresceu, em média, 4,2% ao ano, até 2011. (...) E isso mesmo em meio à crise de 2008, que afetou os maiores países do mundo. (...) A renda e o bem estar do brasileiro melhorou e continua melhorando. A verdade é que a população brasileira conhece a crise mais pelos veículos de comunicação que pelo seu dia a dia", avaliou.

Prêmio

Na 13ª edição do prêmio, além do ministro Guido Mantega, também foram homenageados pelas três publicações semanais da Editora Três (IstoÉ, IstoÉ Dinheiro e IstoÉ Gente) as seguintes personalidades: o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (categoria política); o cardiologista Roberto Kalil Filho (saúde); a Seleção Feminina de Vôlei (categoria esporte); o nadador paralímpico Daniel Dias; a cantora Marisa Monte; presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster; o empresário Jorge Gerdau (segmento indústria); o presidente do conselho do Bradesco, Lázaro de Mello Brandão (Finanças); o presidente da Amil, Edson de Godoy Bueno (serviços); o presidente da Arezzo, Anderson Birman (varejo); além do escritor João Emanuel Carneiro, autor da novela "Avenida Brasil"; o ator Reynaldo Gianecchini; a top model Izabel Goulart (modelo); a atriz Débora Nascimento; e o cantor e compositor Milton Nascimento.