Dólar recua após intervenção do BC

O dólar comercial operava com queda de 0,29% nas primeiras ofertas do dia, após o Banco Central Brasileiro anunciar um leilão de swap cambial tradicional - venda de dólares no mercado futuro na última sexta-feira, 23. A moeda norte-americana era cotada a R$ 2,076 na compra e R$ 2,078 na venda.

De acordo com o relatório diário da Lerosa Investimentos, o mercado começa a discutir o patamar de longo prazo para o dólar frente ao real. A queda de juros reais internos e a perspectiva de crescimento global favorecem a interpretação de que o dólar esteja subvalorizado frente ao real e poderia ganhar força com o passar do tempo. Vimos na sexta-feira um movimento mais brusco, com o Banco Central atuando para reduzir a volatilidade da moeda. Hoje o mercado americano volta à normalidade, retornando do feriado de ação de graças e vemos uma movimentação de diminuição na exposição ao risco. Tresuries ganham força e os títulos de 10 anos na Europa mostram redução na alocação em países periféricos, principalmente na Itália e Espanha, e aumento de interesse por títulos Alemães e franceses. O Euro, no entanto, não mostra queda expressiva, em contração de 0,07% frente ao dólar. A moeda europeia é negociada a US$ 1,2967. A agenda de hoje se concentra nos dados dos FED regionais de Dallas e Chicago, cujos sinais devem ser de leve aceleração da atividade nos Estados Unidos.

Entre as notícias do Velho Continente, os ministros das finanças da zona do euro discutiram no sábado, por telefone, a redução da dívida grega e "chegaram a um acordo sobre a base para as negociações com o FMI", afirmou uma fonte europeia ligada às tratativas. A conferência por telefone, não confirmada oficialmente, durou quase 90 minutos, e seu objetivo foi preparar o encontro previsto para hoje, em Bruxelas, para desbloquear uma parcela da ajuda à Grécia de, ao menos, US$ 31,2 bilhões.

Por aqui, abrindo a agenda de indicadores brasileiros, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas recuou pelo segundo mês consecutivo entre outubro e novembro, ao passar de 121,7 para 120,0 pontos. Apesar de se manter acima da média histórica, a queda de 1,4% fez com que a média móvel trimestral do indicador voltasse a apresentar a tendência declinante observada entre maio e agosto deste ano.

Além disso, o Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central (BC), apontou que a previsão para a taxa de câmbio em 2012 permaneceu em R$ 2,03. Para 2013 a taxa ficou em R$ 2,02.