Mercados dos EUA fecham em alta, impulsionados por acordo na Grécia

A Bolsa de Nova York fechou nesta segunda-feira em alta, satisfeita com a conclusão de um acordo na Grécia para impor um drástico plano de austeridade, apesar de não ceder à euforia: o índice Dow Jones avançou 0,57% e o Nasdaq, 0,95%. Wall Street abriu com ganhos e manteve essa progressão ao longo do dia.

Segundo os dados definitivos de fechamento, o Dow Jones Industrial Average subiu 72,81 pontos, a 12.874,04 e o Nasdaq, dominado pelo setor tecnológico, 27,51 pontos, a 2.931,39. O índice ampliado Standard & Poor''s 500 subiu 0,68% (9,13 pontos), a 1.351,77 pontos. 

No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) teve valorização nesta segunda-feira (13). O Ibovespa, principal índice da bolsa, fechou em alta de 2,62%, aos 65.676 pontos. O dólar teve queda de 0,67%, a R$ 1,71 na venda. Esta é a menor cotação da divisa desde 31 de outubro do ano passado. 

Cortes na Grécia

O acordo político feito no parlamento grego  neste domingo (12) - sobre as medidas de austeridade econômica necessárias para receber o pacote de resgate de cerca de 130 bilhões de euros - foi crucial para aumentar a demanda por moedas emergentes e outros ativos de risco. Se esse auxílio não fosse acertado, o país poderia decretar default - inadimplência no pagamentos de suas dívidas - em março. Além do auxílio financeiro, os gregos acertaram, com o acordo, uma reestruturação de 100 bilhões de euros de sua dívida soberana. 

De acordo com os analistas da Charles Schwab, o acordo grego sobre o corte de gastos deu um impulso à praça nova-iorquina:

"A reação dos mercados americanos é melhor que a dos mercados europeus, já que nos Estados Unidos os investidores já não estão concentrados na Grécia", constatou Gregori Volokhine, da Meeschaert New York.

Os mercados se preparam a partir de agora para a reunião de ministros das Finanças europeus que ainda devem desbloquear uma nova parcela do empréstimo internacional para a Grécia, e para receber mais detalhes sobre as negociações com os credores privados da dívida soberana de Atenas.

Os mercados americanos "já precificaram" a maior parte dos próximos acontecimentos, fazendo com que o impacto sobre Wall Street seja limitado, disse Volokhine.

O mercado de títulos fechou em retrocesso. O rendimento do título do Tesouro avançou para 1,990% frente a 1,969% de sexta-feira (10) e os papéis de 30 anos, a 3,142% contra 3,122%.

Com a AFP