Chile deve crescer em mais de 4%

O ministro das finanças do Chile, Felipe Larrain, afirmou que o país deverá crescer mais de 4% em 2012, em meio aos problemas da dívida na zona do euro, que tem afetado os preços das exportações de cobre. 

O Chile é o maior produtora mundial de cobre mundial, mas as perspectivas para exportação do produto são moderadas. Na última quinta-feira, 12 o Banco Central cortou a 5% a taxa básica de juros do país pela primeira vez em 2 anos,  citando uma desaceleração econômica na Europa. 

"Assumimos que 5 por cento de crescimento torna-se menos provável, mas jogamos para fazer cerca de 4 por cento", disse Larrain ao jornal La Tercera, referindo-se às previsões anteriores de expansão de 5 por cento 2012.

O Banco Central do Chile reduziu sua previsão de crescimento para 2012 entre 3,75 e 4,75 por cento, em comparação com uma estimativa anterior de crescimento que variava entre 4,25 e 5,25 por cento.

O ministro afirmou que o país poderia levantar fundos através de uma reforma fiscal, mas o valor exato deste levantamento ainda está sendo estudado.

"Será uma reforma tributária ampla e abrangente, o sistema tributário chileno, o que inclui atacar os "buracos" - ou a evasão fiscal, reduzir alguns impostos, aumentar a outros, e alguns novos incentivos", disse Larrain.

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, que sofre com os baixos níveis de popularidade, anunciou que as grandes empresas precisam colaborar para alcançar um sistema tributário mais igualitário.