Cai número de chineses que vivem abaixo da linha de pobreza

O governo da China anunciou hoje que caiu o número de chineses abaixo da linha de pobreza – vivendo com menos de 1.274 yuan (o equivalente a 150 euros) por ano. A queda significa a redução de 67,4 milhões de pessoas, na última década, para 26,8 milhões. A quantidade de chineses que vivem abaixo da linha da pobreza é equivalente ao número de habitantes da França.

Os dados estão no Livro Branco, que relaciona informações sobre o desenvolvimento do programa de combate à pobreza nas zonas rurais. O documento, com 36 páginas, foi divulgado hoje pelo Gabinete de Informação do Conselho de Estado da China, o órgão executivo do governo.

A proporção de pobres entre a população rural chinesa baixou de 10,2% em 2000 para 2,8% em 2010, diz o Livro Branco. Metade dos cerca de 1,340 milhão de habitantes da China vive ainda nas zonas rurais. Em 2000, a China contava com 94,2 milhões de pobres, número que caiu para 26,8 milhões no fim de 2010.

A avaliação no que se refere à linha de pobreza, entretanto, aumentou de 865 yuan (o equivalente a 100 euros) para 1.274 yuan (150 euros). Porém, pelos dados, os números estão distantes do exigido pela Organização das Nações Unidas (ONU), que estabelece US$ 1 por  norte-americano por dia, ou seja, 2.300 yuan por ano (270 euros).

"Apesar de a força global da China ter melhorado imensamente, o governo chinês está consciente de que a China permanece um país em vias de desenvolvimento, com baixo rendimento per capita, e está confrontada com o sério desafio de reduzir o fosso entre as áreas urbanas e rurais entre as diferentes regiões e entre pobres e ricos", diz o Livro Branco.

O valor do Produto Interno Bruto (PIB) per capita na China fica próximo dos US$ 4.500, menos do que em alguns países africanos, mas em Xangai, por exemplo, já atingiu cerca de US$ 13.000 - três vezes mais do que na maioria das províncias e regiões autônomas chinesas. A eliminação da pobreza "é e continuará a ser uma árdua e prolongada tarefa", garante o governo chinês. O índice de analfabetismo entre os jovens e a população de média idade diminuiu para 7% -  menos 5,4 pontos percentuais do que em 2002, indica também o Livro Branco.